Operação em Baslan foi falha

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 28 de dezembro de 2005 as 09:33, por: cdb

A operação de libertação dos reféns na escola de Beslan, na Rússia, estava “cheia de falhas e deficiências”, segundo uma investigação parlamentar sobre o cerco realizado em setembro de 2004. A afirmação, feita nesta quarta-feira por Alexander Torshin, o chefe da comissão parlamentar de inquérito que investigou o caso, contrasta com um relatório de um promotor divulgado na segunda-feira, que dizia que as forças de segurança não haviam cometido erros. O relatório da segunda-feira havia irritado os familiares das 331 pessoas que foram mortas durante o cerco e a operação de resgate. As mortes, 186 delas de crianças, ocorreram após a tomada da escola de Beslan, na República russa da Ossétia do Norte, por um grupo de militantes armados pró-independência da Chechênia e a posterior ação das forças de segurança para resgatá-los.

Uma investigação anterior feita por uma comissão parlamentar local da Ossétia do Norte havia dito que as forças de segurança tinham sido incompetentes. Desde setembro de 2004, as pessoas em Beslan têm exigido que as autoridades sejam obrigadas a prestar contas. Dezenas de vítimas e parentes que formaram o grupo chamado Mães de Beslan acusaram os procuradores de tentar ocultar a responsabilidade dos generais. Eles disseram não confiar nas autoridades e prometem continuar sua própria investigação.