General americano taxa de vergonhoso o cancelamento dos pedidos à Embraer

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 1 de março de 2012 as 06:20, por: cdb

Menos mal. O general Norton Schwartz, comandante da Força Aérea dos Estados Unidos, não poupou críticas à decisão do governo americano de cancelar o contrato para o fornecimento de 20 aviões Super Tucano da Embraer, no valor de US$ 355 milhões.

Tudo parecia nos conformes. A empresa brasileira, numa parceria com a Sierra Nevada, venceu uma licitação para os aviões de vigilância, que seriam usados no Afeganistão. Mas, esta semana, foi anunciado o cancelamento do pedido e informou que o assunto deveria ser tratado em nível de governo. Os militares dos Estados Unidos sugeriram que o Itamaraty devesse pedir esclarecimentos a esse respeito diretamente ao departamento de Defesa e de Estado dos Estados Unidos.

Schwartz qualificou o cancelamento do pedidos dos aviões de “vergonhoso”. Para ele, a decisão representa um embaraço para a Força Aérea dos EUA e acrescentou estar “profundamente desapontado” com o fato.

Ação e reação

Por aqui, há quem avalie que o cancelamento do contrato fortalece a França na disputa com americanos e suecos para a venda do novo caça de múltiplo emprego da Força Aérea Brasileira (FAB).

Os comentários de Schwartz só reforçam nosso argumento do absurdo da decisão unilateral dos Estados Unidos, do Departamento de Comércio e/ou do Estado… Enfim, de quem quer que seja. O episódio só reforça o fato de que a reação do Brasil deve ser imediata e com represálias… Se não, a moda pega. Devemos ir à Organização Mundial do Comércio (OMC) e a outros fóruns. Onde quer que seja o caso.