Aumenta a escalada do terror no Oriente Médio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 9 de agosto de 2001 as 22:04, por: cdb

A escalada do terror no Oriente Médio aumenta desde a explosão que matou 13 pessoas e feriu mais de 80, no início da tarde de ontem, em território judeu. O presidente dos EUA, George W. Bush, em comunicado distribuído horas depois, protesta “veementemente contra os atos terroristas praticados por radicais palestinos”. Bush apela ao líder Yasser Arafat que determine a prisão dos responsáveis por este atentado.

A organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch também condenou nesta quinta-feira o ataque suicida a uma pizzaria em Jerusalém que deixou 18 mortos, entre eles seis crianças. O Human Rights Watch seguiu na linha de Bush e anunciou que a Autoridade Palestina tem uma “clara obrigação de investigar e levar à Justiça os responsáveis por planejar e executar estes ataques”.

UM BRASILEIRO É MORTO NO ATENTADO

O brasileiro Jorge Balazs, de 60 anos, está entre os mortos do atentado desta quinta-feira em Jerusalém. Seus familiares e de sua filha, a museóloga Deborah Brando Balazs da Costa Faria, de 44 anos, ferida pela explosão, foram informados por parentes que vivem em Israel sobre a situação dela e de seu pai.

Segundo essas informações, Deborah foi levada ao Hospital Haddassah Ein Karem, em Jerusalém, com queimaduras nas pernas, braços e ombros e cortes pelo corpo provocados por estilhaços, mas sua situação não representava risco.

Por telefone, Deborah disse ao marido, o funcionário da Prefeitura de São Paulo Antonio Augusto da Costa Faria, de 52 anos, que o pai dela havia ficado “ferido gravemente”. Deborah e Augusto têm três filhos e vivem na zona sul de São Paulo. Até a noite de hoje, a família não sabia que ele tinha morrido.

Entretanto, o embaixador do Brasil em Tel-Aviv, José Nogueira, confirmou ao presidente do Rabinato da Congregação Israelita Paulista, Henry Sobel, que o brasileiro morreu.

É a primeira visita de Deborah a Israel. Ela chegou ao país na quarta-feira, acompanhada do pai e da madrasta, Flora Rosembaum – também ferida por estilhaços -, para o casamento de seu irmão, que vive numa cidade próxima a Jerusalém.

O casamento estava marcado para o fim de semana. No momento da explosão, os três passavam a pé a poucos metros da pizzaria, a caminho do Muro das Lamentações. Jorge conhecia bem o país. Vivera por mais de 20 anos em um kibutz de Israel.

ISRAEL REVIDA E OCUPA QUARTEL DA OLP

Na madrugada de sexta-feira, por volta das 20h no horário de Brasília, a polícia israelense ocupou o quartel general da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) em Jerusalén oriental, segundo fonte na palestina. A informação foi confirmada oficialmente pelo comando militar de Israel.

Dois guardas foram presos e espancados durante a operação no prédio conhecido como a Casa do Oriente, conforme denúncia do dirigente palestino Hatem Abbel Kadar.

O ataque seria mais uma represália ao atentado suicida palestino em Jerusalém, que causou 18 mortos quinta-feira, incluindo o autor, e perto de 90 feridos numa pizzaria.

Antes, aviões de combate bombardearam quinta-feira um posto policial palestino em Ramalá, norte de Jerusalém, conforme constatam autoridades de ambos os lados.

Um F16 disparou três foguetes contra o posto policial situado no sul da cidade e destruiu o prédio sem causar vítimas. O edifício já tinha sido evacuado por temor de ataque israelense.