Zona desmilitarizada entre Iraque e Kuwait é violada pelos EUA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 7 de março de 2003 as 10:01, por: cdb

As Nações Unidas detectaram vários buracos na cerca eletrificada que separa o Iraque e Kuwait, bem como violações da zona desmilitarizada entre os dois países, cometidas por fuzileiros navais dos Estados Unidos, revelou um porta-voz da organização mundial.

A violação vem à tona justamente quando o chefe dos inspetores de armas da ONU, Hans Blix, prepara-se para apresentar ao Conselho de Segurança da organização, nesta sexta-feira, um relato atualizado – e crucial – sobre os esforços de desarmamento no Iraque.

Cerca de 100 mil soldados norte-americanos e britânicos encontram-se no Kuwait aprontando um possível ataque por terra e ar contra o Iraque, visando a eliminar as alegadas armas de destruição em massa do país.

Na noite de quinta-feira, o presidente norte-americano, George W. Bush, disse, em entrevista coletiva transmitida ao vivo pela televisão, que ainda não decidiu se invadirá o Iraque. Entretanto, avisou que os membros do Conselho de Segurança da ONU têm poucos dias para decidir se aderem ou não a uma ação militar liderada pelos Estados Unidos para desarmar Saddam Hussein à força.

Na Cidade do Kuwait, o correspondente da CNN Martin Savidge observou que as operações na zona desmilitarizada (DMZ) podem ser, já, uma missão exploratória para a eventual ação militar norte-americana contra o Iraque.

As violações foram informadas por Fred Eckhard, porta-voz da ONU.
“A UNIKOM relatou inúmeras violações da zona desmilitarizada entre o Iraque e o Kuwait desde 4 de março, por pessoas em roupas civis e usando veículos 4×4”, disse. “E pelo menos algumas delas estavam armadas e se identificaram como fuzileiros navais dos Estados Unidos”.

A UNIKOM, Missão de Observação da ONU Iraque-Kuwait, foi formada em 1991 depois que a coalizão liderada pelos Estados Unidos expulsou as tropas iraquianas do Kuwait, durante a Guerra do Golfo.

A tarefa da UNIKOM é monitorar a DMZ e “deter violações de fronteira e relatar ações hostis”, segundo a ONU.

Consultados sobre a denúncia da UNIKOM, porta-vozes militares dos Estados Unidos no Kuwait não fizeram qualquer comentário imediato. Já a missão kuwaitiana na ONU disse não estar ciente do episódio, mas minimizou sua importância.

Por causa da atividade detectada na região, uma autoridade da ONU no Kuwait contou à CNN que as forças da UNIKOM dentro da DMZ solicitaram permissão para elevar o nível de alerta de amarelo para vermelho, ou seja, de 2 para 3.

Caso chegue ao nível 4, o alerta implicará automaticamente na retirada dos observadores da ONU da DMZ.

Na quarta-feira, a UNIKOM descobriu três rombos na cerca eletrificada que foi erguida pelo governo do Kuwait ao longo da fronteira com o Iraque. Os buracos estão na parte desmilitarizada da região, segundo Eckard.

Além disso, segundo a ONU, os próprios kuwaitianos abriram entre 10 a 15 fendas – algumas com 300 metros de largura – na cerca.

O Conselho de Segurança da ONU foi informado, na quinta-feira à noite, sobre os rombos na cerca.