Zagallo comandará Seleção Brasileira no amistoso contra a Coréia do Sul

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 3 de novembro de 2002 as 22:52, por: cdb

Novo prédio, velhos hábitos. No mesmo dia que Ricardo Teixeira vai abrir as portas da nova sede da CBF, Mario Jorge Lobo Zagallo será anunciado como treinador da seleção brasileira, ainda que provisoriamente.

A indicação de Zagallo não é novidade. Ele já havia sido chamado para dirigir o Brasil no amistoso contra a Coréia do Sul no próximo dia 20, em Seul.

A sua indicação, entretanto, havia sido descartada no auge do escândalo do caso Líbia (então técnico da seleção, Zagallo recebeu US$ 500 mil da federação daquele país, contra o qual a seleção acabou não jogando). À época, o presidente da CBF queria ver Luiz Felipe Scolari novamente na seleção. Mas com a negativa do pentacampeão, Zagallo voltou a fazer parte dos planos de Teixeira.

Também a nova sede não é tão nova. Apesar da inauguração oficial sera manhã, a mudança para a Barra da Tijuca foi em feita agosto. A CBF deixou seu prédio próprio no centro do Rio para ocupar o quinto andar de um luxuoso prédio na Barra da Tijuca, pelo qual vai desembolsar R$ 85 mil mensais de aluguel.

A nova sede é cercada por um forte esquema de segurança, que inclui agentes motorizados, câmeras de alta definição e até um sistema de monitoramento via satélite dos principais dirigentes. A administração do condomínio também prevê a utilização de um helicóptero nos próximos meses, para reforçar a segurança.

As velhas novidades de CBF serão anunciadas amanhã, a partir das 11h. Os campeões mundiais Bellini, Zagallo, Carlos Alberto Torres, Branco, Carlos Alberto Parreira e Luiz Felipe Scolari serão homenageados e posarão, ao lado da taça Jules Rimet e da Copa do Mundo, para um painel que ilustrará as paredes da nova sede.

Romário e Dunga, que também foram convidados, não vão comparecer. O primeiro alegou ter “mais o que fazer, por exemplo dormir”. Já o capitão do tetracampeonato disse que não pôde adiar compromissos pessoais.

Além dos campeões mundiais, presidentes de federações e políticos devem participar da festa.