Xiitas iraquianos resistirão aos EUA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 25 de abril de 2003 as 22:24, por: cdb

Líderes xiitas iraquianos aproveitaram as orações de sexta-feira, dia de descanso dos muçulmanos, para advertir os EUA que rejeitarão qualquer governo imposto pelas forças de ocupação. O imã Abdel Aziz Hakim, “número 2” do Conselho Supremo para a Revolução Islâmica no Iraque (Sciri), reafirmou a posição de seu movimento em favor de um “governo nacional de transição”, no qual os xiitas exerçam um papel proporcional à sua representação no Iraque – onde são mais de 60% da população.

“Não participaremos de nenhum governo que nos seja imposto”, declarou. A chegada ao poder de um governo teocrático islâmico, nos moldes do iraniano, é o grande temor da administração americana. O secretário de Defesa dos EUA, Donald Rumsfeld, reiterou hoje que as forças de ocupação não permitirão a instauração de uma “ditadura religiosa” no país.

Como forma de conter a influência iraniana, os EUA estudam ajudar o principal grupo armado de oposição ao regime do Irã, os Mujahedin do Povo, que tem base no Iraque. Há vários anos o Departamento de Estado dos EUA mantém os Mujahedin do Povo na lista de “grupos terroristas”.

A máxima autoridade xiita da cidade de Kerbala, xeque Kadem al-Nasseri, acusou as forças militares americanas de deixarem em liberdade membros do Partido Baath, de Saddam Hussein, e ameaçou emitir uma “fatwa” (decreto religioso) contra a ocupação do Iraque.

“Os soldados americanos libertaram seis membros do Baath que tinham suas mãos manchadas de sangue e nos custou muito capturar”, disse.

Segundo Al-Nasseri, essas pessoas tinham sido responsáveis pela detenção e execução de dezenas de xiitas que participaram das rebeliões contra o regime de Saddam, em 1991, no sul do Iraque.