Wellington Dias e Ana Amélia vão comandar subcomissão sobre dependência química 

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 29 de março de 2011 as 11:15, por: cdb

Os senadores Wellington Dias (PT-PI) e Ana Amélia (PP-RS) foram eleitos, nesta terça-feira (29), presidente e vice-presidente, respectivamente, da Subcomissão Temporária de Políticas Sociais sobre Dependentes Químicos de Álcool, “Crack” e Outros, para o biênio 2011/2012.

O primeiro requerimento de audiência pública já deve ser votado nesta quinta-feira (31), às 9h, e solicita a vinda ao Senado da secretária nacional de Políticas sobre Drogas do Ministério da Justiça, Paulina do Carmo Arruda Vieira Duarte.

Antes de ouvir as entidades dedicadas à área, Wellington Dias quer debater as políticas públicas voltadas à prevenção ao consumo, ao tratamento e à reinserção social de dependentes. Deverão ser convidados representantes dos Ministérios da Saúde, do Desenvolvimento Social, da Educação e do Trabalho; da Casa Civil da Presidência da República e do Ministério Público da União.

Segundo explicou o presidente da subcomissão, o trabalho terá quatro focos: prevenção; tratamento e reinserção social; rede de qualificação profissional para a área; mobilização das organizações sociais para atender os dependentes e suas famílias. A expectativa é apresentar, ao final dos trabalhos, previsto para julho, uma proposta legislativa que contemple uma política de prevenção capaz de ser adotada em todo o país.

A instalação dos trabalhos da subcomissão foi comandada pelo senador Waldemir Moka (PMDB-MS), que esperar traçar políticas públicas capazes de afastar mais pessoas do caminho da dependência química. A senadora Vanessa Grazziotin (PC do B-AM) afirmou não ver uma ação mais efetiva do Estado voltada para a assistência aos dependentes químicos.

– As poucas clínicas de reabilitação costumam ser privadas e ligadas a grupos religiosos. Esse é um problema social, mas também econômico – comentou a senadora, que sugeriu visita dos senadores a experiências bem sucedidas no tratamento de dependentes nos estados.

Simone Franco / Agência Senado