Vítima de espancamento em Volta Redonda permanece internado

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 7 de julho de 2003 as 23:08, por: cdb

O construtor civil Mauro César da Silva, 35 anos, agredido na madrugada de domingo por sete rapazes de classe média alta de Barra Mansa, no Sul Fluminense, permanece internado no hospital São João Batista, onde foi operado do nariz fraturado, e pode sofrer uma nova cirurgia.

Ele teve duas vértebras da coluna cervical, o braço quebrado e perdeu três dentes após ser espancado e jogado do alto de um viaduto em Volta Redonda.

Depois de discutir com um dos rapazes durante uma exposição agropecuária em Barra do Piraí, por causa de uma suposta provocação do estudante de medicina Felipe de Barros de Carvalho, 20 anos, à namorada de Mauro, o empresário foi perseguido durante cerca de 40 quilômetros.

O construtor tentou fugir dando marcha a ré, mas bateu em uma mureta e acabou sendo retirado do carro pelas pernas, espancado e chutado até cair do viaduto Sávio Gama, no Centro de Volta Redonda.

A agressão foi filmada por câmeras de segurança. Segundo Marisângela de Almeida, irmã de Mauro, ele estava inconsciente quando foi lançado do viaduto.

Isso contraria a tese dos familiares dos sete rapazes, que argumentam que Mauro teria se jogado do viaduto para escapar das agressões. Ela admitiu ainda que o irmão deu três tapas no rosto de um rapazes durante a discussão.

Além de Felipe, estão presos na 93ª DP (Volta Redonda) sob acusação de tentativa de homicídio o comerciante Marco Aurélio Raimundo, 24 anos, Henrique Barros de Carvalho, 19 anos, Ádamo Granato Ferraz, 20, Rafael Alves Monteiro de Barros, 23, Glauco Silva Oliveira, 21, e Ricardo Machado de Abreu, 20.