Vírus da Sars pode sofrer mutações rápidas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 22 de abril de 2003 as 10:51, por: cdb

O vírus da Síndrome Respiratória Aguda Severa (Sars) pode mudar rápida e facilmente – informou nesta segunda-feira o Instituto Genômico de Pequim, declarando que a sequência genética de amostras recolhidas na China é diferente da observada por cientistas norte- americanos e canadenses.

“Foram detectadas algumas diferenças entre os genomas individuais e devemos esperar que o vírus mude muito rápida e facilmente”, informou um comunicado do instituto, que integra a Academia das Ciências da China.

O vírus da pneumonia asiática faz parte da família dos coronavírus, que causa resfriados comuns, e quanto mais facilmente um vírus sofre mutações, mais difícil é combatê-lo de modo eficaz.

O China Daily informou que o governo chinês vai enviar equipes de pesquisadores a várias províncias do país para supervisionar o trabalho de prevenção e tratamento da doença.

Uma dessas equipes seguirá para a província central de Henan, a mais populosa do país com 93 milhões de habitantes e onde só foram registrados até agora três casos confirmados de Sars.

Outros pesquisadores serão enviados para Shanxi, onde a epidemia parece estar em expansão rápida, com 120 casos notificados: Mongólia interior (30 casos), Ningxia (noroeste), onde os locais públicos foram fechados na capital, Yinchuan, bem como para Guangdong (sul), que continua sendo a mais afetada das províncias chinesas, embora a propagação da Sars tenha diminuído, segundo os dados oficiais.

Finalmente, haverá cientistas trabalhando em Pequim, onde a epidemia de pneumonia asiática já matou 25 pessoa e onde, até segunda-feira, estavam registrados 482 casos confirmados e 610 casos suspeitos de Síndrome Respiratória Aguda Severa (Sars), de acordo com o ministério chinês da Saúde.

O balanço atualizado da epidemia na capital chinesa indicou que 43 pessoas ficaram curadas, e que entre os 482 casos confirmados estão 78 funcionários da saúde. No período entre 19 e 21 de abril, foram relatados 143 novos casos de Sars e sete mortes, tendo 10 pessoas tido alta hospitalar.

“Se o número de casos suspeitos declarados em Pequim aumentou bastante, tal deve-se principalmente ao fato de terem sido tomadas medidas de prevenção rigorosas, de o número de pessoas examinadas ter aumentado, e de as estruturas médicas de observação e de isolamento, anteriormente dispersas, estarem sendo concentradas”, observou o comunicado emitido pelo ministério.

Foram registrados até segunda-feira, 2001 casos de pneumonia asiática e 92 mortes na China. A doença continua assim alastrando-se pelo país. O ministério chinês da Saúde comunicou pela primeira vez a ocorrência de casos confirmados em Hebi (norte), Xinjiang (noroeste), Chongqing (sudoeste), Shaanxi (norte) e Tianjin (norte).

Das 14 província chinesas já atingidas, a mais afetada é Guangdong, no sul, onde foram notificados 1.317 casos de Sars, com 48 mortes.

A Sars, mais conhecida por pneumonia asiática, é uma doença descoberta no sul da China em novembro de 2002. Os sintomas da Sars são febres superiores a 38 graus, tosse e dificuldades respiratórias.