Violência afeta setor de shows em Curitiba

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 26 de junho de 2003 as 04:33, por: cdb

O mercado de shows de Curitiba está passando por uma crise depois da morte de três adolescentes, no dia 31 do mês passado, no festival “Unidos pela paz”, realizado no Jockey Clube.

O incidente assustou o público, especialmente o mais jovem, que ficou receoso em participar de grandes eventos. Osmar Valverde, sócio-proprietário do Moinho São Roque, uma das principais casas de show da cidade, diz que houve uma queda significativa de público.

– Todo mundo está preocupado com a segurança – disse.

O empresário está sentindo no bolso a retração do mercado. No próximo sábado ele promove o show da banda CPM 22, um nome forte do rock atual. Até ontem, as vendas de ingressos estavam muito abaixo do esperado. Valverde não sabe se vai conseguir cobrir as despesas com o dinheiro arrecadado na bilheteria.

A produtora cultural Verinha Valflor, por sua vez, avalia que essa reação inicial do público é natural, mas que, com o passar dos meses, as pessoas tendem a voltar a freqüentar os shows.

– Elas voltam, pois acreditam que houve melhoras e que os problemas de infra-estrutura foram resolvidos – afirma.

Segundo ela, a acomodação do público é um ponto negativo, mas é necessário que a sociedade continue mobilizada para exigir dos órgãos competentes providências para que tragédias como a do Jockey não voltem a acontecer.

O promotor de eventos Luiz Manzi Neto afirma que já sentiu uma mudança na postura nos órgãos públicos. Ele diz que a prefeitura, bombeiros e polícia civil e militar estão mais atentos e rigorosos na fiscalização dos locais em que são realizados os eventos.

– Eles não querem que aconteçam mais falhas – diz.