Vinte milhões de brasileiros serão alfabetizados pelo governo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 7 de abril de 2003 as 18:12, por: cdb

Se ocorresse a alguém a idéia de remover a legenda “Ordem e Progresso” que caracteriza a bandeira brasileira, substituindo-a por outra qualquer, 20 milhões de pessoas no país não perceberiam a diferença.

Cristovam Buarque, ministro da Educação no governo de Luiz Inácio Lula da Silva, propôs alfabetizar 20 milhões de brasileiros adultos em quatro anos, para que possam, entre outras coisas, ler o dístico da bandeira de seu país.

“A bandeira do Brasil tem um texto, e o analfabeto não conhece a bandeira brasileira. Se alguém trocasse o ‘Ordem e Progresso’ por ‘viva [o presidente norte-americano George W.] Bush’, ele pensaria que se trata da bandeira do Brasil,” disse Buarque em entrevista.

A enorme quantidade de analfabetos do Brasil, um país de 170 milhões de habitantes, equivale à população da Cidade do México, a maior área urbana da América.

Essa situação fez com que Buarque e seus assessores pensassem em uma campanha de alto impacto que desperte o interesse dos adultos analfabetos em aprender a ler e escrever.

Para essa tarefa, o ministério quer a participação do astro de futebol Ronaldo, que joga pelo Real Madrid. Buarque se reunirá na próxima quarta-feira com o jogador e dirigentes do clube espanhol em Madri para discutir a presença do atacante na campanha.

“Símbolos como Ronaldo vão nos ajudar muito a mobilizar esses 20 milhões de pessoas. Mobilizar exige uma campanha nacional”, disse Buarque, economista a quem Lula confiou a tarefa de melhorar a baixa qualidade do ensino básico no país.

O ministro já tem a campanha na ponta da língua, se o Real Madrid, que é dono dos direitos de imagem do Ronaldo, aceitar liberar o jogador para a causa.

“Ronaldo vai dizer aos brasileiros que quer um país alfabetizado, que não quer que seu país continue analfabeto. E que ele deseja que todos os brasileiros entendam o que diz a bandeira”, afirmou o ministro.

O governo de centro-esquerda comandado por Lula prometeu melhorar os índices sociais do Brasil. Segundo o Ministério da Educação, dos 34 milhões de crianças que vão à escola no país, apenas 30% concluem o curso secundário.

EMPRESÁRIOS ADEREM AO PROGRAMA

O programa de alfabetização contará com forte participação do setor privado, indicou o ministro da Educação.

“Vamos assinar um convênio com a Confederação Nacional da Indústria (CNI, a maior federação industrial do Brasil). Dos 20 milhões de pessoas que aprenderão a ler e a escrever, três milhões serão alfabetizados pela CNI,” assegurou o ministro.

Ao descrever as características da população analfabeta identificada pelo Estado brasileiro, Buarque indicou que a grande maioria dos 20 milhões de analfabetos adultos do país são pobres, de raça negra e vivem na região nordeste, a mais pobre do Brasil.

“Quase todos eles têm renda mensal inferior a dois salários mínimos (480 reais, ou 151 dólares),” disse o ministro.

O plano de alfabetização, que exigirá investimento de até 400 milhões de dólares em quatro anos, inclui também a criação de milhares de pequenas bibliotecas em aldeias e cidades brasileiras, e a organização de programas de leitura.