Vigilância Sanitária realizará campanha de conscientização

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 18 de abril de 2012 as 05:26, por: cdb

18/04/2012 08h23 – Atualizado em 18/04/2012 08h23 Vigilância Sanitária realizará campanha de conscientização O objetivo é divulgar à sociedade a importância e o trabalho realizado pelos agentes da Vigilância Sanitária (Foto : )

A Secretaria Municipal de Saúde (Semus),  por intermédio do Departamento de Vigilância Sanitária, priorizará neste ano a realização de campanha de conscientização da comunidade em relação ao trabalho desenvolvido pelos agentes do órgão.

“Nós trabalhamos para fazer cumprir a legislação. Contudo, percebemos que alguns proprietários de estabelecimentos comerciais, embora sejam pessoas idôneas, se recusam a retirar o Alvará Sanitário”, observa Dinaldete Marques coordenadora do órgão.

Para ela, a maioria das pessoas resiste em não retirar o documento exigido pela legislação brasileira porque não a  conhece;  fato que precisa ser esclarecido junto aos comerciantes de Imperatriz, pois grande parte não conhece o princípio da legalidade e da moralidade. “A Vigilância Sanitária apenas cumpre a legislação, exigida pela Lei da Vigilância Sanitária”,

Por conta disso, a coordenadora Dinaldete Marques garantiu que a Vigilância Sanitária de Imperatriz priorizará neste ano a realização de intensa campanha educativa, levando-a para todos os bairros com o propósito de conscientizar os donos de comércio a regularizar a documentação exigida [Alvará Sanitário] pela lei em todo território nacional.

“Vamos explicar de forma popular sobre a legislação e o trabalho realizado pelos agentes da Vigilância Sanitária, bem como esclarecer que cada vez que o nosso órgão cumpre o seu trabalho de fiscalizar um estabelecimento cumpre a lei da Agência Nacional de Vigilância Sanitária”, justifica ela, que também considera necessário que seja feito um trabalho de conscientização da sociedade sobre a importância da Vigilância Sanitária, em Imperatriz.

Ela ilustra, como exemplo, quando o órgão recebe uma denúncia-reclamação de criação irregular de suínos (porcos) no quintal da residência. “Nós fiscalizamos in loco o problema, intimando o dono dos animais e dando-lhe um prazo para retirá-los, mas a sociedade acaba interpretando de forma errada o nosso trabalho, pois o nosso propósito é simplesmente educá-los”, finaliza.