Vigilância Sanitária orienta consumidores na compra de pescados

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 4 de abril de 2012 as 08:13, por: cdb

A GEVISA (Gerência de Vigilância Sanitária) da Prefeitura de Campina Grande realiza, de forma rotineira, inspeções nos pescados comercializados nos supermercados, mercados públicos e feiras livres da cidade, e tendo em vista a Semana Santa e o consequente aumento do consumo de peixes que acontece neste período do ano, o órgão dá algumas orientações que devem ser observadas no momento da compra.

Inicialmente, devem ser observadas as condições do estabelecimento, que estar limpo, e verificada a higiene dos manipuladores, explica o inspetor sanitário da Vigilância Sanitária, Luciano Diniz.

Na hora de comprar os pescados, a preferência dos consumidores deve ser para os produtos frescos, o que facilita a verificação da cor, odor e sabor, pois o congelamento mascara as características do peixe, principalmente se ele estiver estragado.

Os peixes frescos devem estar livres de sujeiras com poeira, e apresentar escamas bem firmes e residentes, olhos salientes e brilhantes, guelras de cor vermelha intensa e brilhantes, carne firme, elástica, resistente à pressão dos dedos e cheiro característico, conforme orienta o inspetor sanitário.

No caso dos pescados com conchas, eles devem estar úmidos, ter a concha fechada porque se ela estiver aberta é um indicativo que o animal já morreu, não devendo ser consumido, devem ter a cor característica de cada espécie e apresentar o cheiro característico, não muito forte.

Polvos e lulas devem apresentar carne e tentáculos firmes, os olhos vivos e cheiro característico. Camarões e lagostas devem estar com a carapaça brilhante, úmida e firme, os olhos vivos e bem destacados, a carne, a cauda e as pernas firmes, a cor característica de cada espécie e cheiro característico.

O bacalhau, um dos produtos mais consumidos durante a Semana Santa, não pode apresentar cor avermelhada, que indica deterioração do produto, nem manchas acinzentadas ou esverdeadas, que sugerem a presença de fungos ou bolores, que tornam o produto impróprio para consumo, e muito menos larvas, que significam contaminação por dejetos ou ovos de moscas. O peixe salgado deve estar armazenado em local limpo, temperatura ambiente e apresentar odor característico.

No caso dos pescados congelados, não deve haver água dentro da embalagem, nem sinal de recongelamento e a consistência deve ser firme, não amolecida, nem pegajosa, com odor característico. Se o peixe estiver inteiro, a carne deve estar presa à espinha, o ventre desinchado, as escamas bem aderidas e brilhantes, olhos brilhantes e superfície não pegajosa.

Luciano Diniz chama atenção para a data de validade, que deve ser observada. Ele também orienta que quaisquer produtos congelados, sejam pescados, aves ou frangos, devem ser comprados por último.