Vigilância Ambiental abre campanha contra dengue no Senai Nova Iguaçu

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 12 de março de 2012 as 13:06, por: cdb

NotíciasPostada em 12/03 – 16:05 Vigilância Ambiental abre campanha contra dengue no Senai Nova Iguaçu

Só o esforço coletivo — do governo e da sociedade — pode conter o avanço do mosquito Aedes Aegypti. Neste sentido, a Prefeitura de Nova Iguaçu, através da Secretaria de Saúde e Defesa Civil, participou da abertura da “Campanha 10 Minutos Contra Dengue”, organizada pela unidade do Senai no município. O evento foi realizado na sede da instituição, no bairro da Luz, na última sexta-feira (09/03) e registrou a presença de aproximadamente 500 alunos dos cursos profissionalizantes.

A campanha foi aberta com a palestra “Todos contra a dengue”, ministrada pela bióloga da Coordenação de Vigilância Ambiental (CVA) da Secretaria Municipal de Saúde, Nery Escobar Chagas, que destacou o ciclo evolutivo do mosquito, sintomas e tratamento da doença, além das ações preventivas para eliminar criadouros do Aedes Aegypti. “O controle da dengue exige uma mudança de comportamento das pessoas. Ao invés de vítima, é preciso que a população se torne combatente do mosquito”, disse. Para o responsável pelo CVA, Claudio Gomes de Barros, a iniciativa é fundamental para formar novos multiplicadores. “Os estudantes reforçaram o aprendizado sobre os cuidados que devem ser adotados no dia a dia, assim como o desafio de levar o conhecimento para outras pessoas”, declarou.

A idéia da campanha, que segue até 19 de abril deste ano, partiu da Comissão Interna de Prevenção a Dengue do Senai de Nova Iguaçu, formada por profissionais da unidade. “Cidadania, responsabilidade e conscientização são as palavras que resumem esta iniciativa. Diariamente os alunos, divididos em dois turnos (manhã e tarde), farão vistoria em pontos estratégicos da unidade com o intuito de eliminar possíveis focos do Aedes aegypti no ambiente da instituição”, explicou a professora e membro da comissão, Elenir Souza Silva. A pedagoga Robcleia Palhares da Silva alegou que são ações simples, mas importantes. “Através desse trabalho podemos melhorar as condições de saúde das famílias e da sociedade”, alegou.

Seis estudantes representam toda a classe escolar na luta contra o mosquito. O aluno Davi Loyola Barbosa, 18 anos, é um deles e garante que praticar as lições aprendidas é a estratégia para que a campanha tenha sucesso. “É fundamental que o aprendizado não fique só na teoria e sim na prática, para que o trabalho aconteça”, afirmou. Para Gleyce Trajano, 18 anos, outra representante, os participantes precisam ter atitude. “É necessário que os alunos desenvolvam atitudes decorrentes de tudo, que foi apresentado e debatido. Não só nas dependências da instituição, como onde residem, casas de familiares, amigos e no cotidiano”, acrescentou.