Videoaulas da Khan Academy serão aplicadas no Pacto Nacional pela Alfabetização

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 18 de janeiro de 2013 as 09:48, por: cdb
Khan foi convidado a participar do programa de alfabetização brasileiro
Khan foi convidado a participar do programa de alfabetização brasileiro

O convite feito na última quarta-feira pela presidenta Dilma Rousseff ao professor Salman Khan recebeu uma resposta negativa do professor e diretor da Khan Academy, especializada em pesquisas educacionais e materiais pedagógicos específicos a serem usados no processo do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. No entanto, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, disse que o MEC pretende difundir cada vez mais as videoaulas elaboradas pela Khan Academy para auxiliar os alunos e professores no ensino médio.

O fato acende o alerta sobre a existência de um descompasso entre o que o governo brasileiro encara como “novidade” para auxiliar no processo pedagógico e a relação professor-aluno e os programas que há anos já vêm sendo desenvolvidos pelos educadores e cientistas brasileiros.

Khan descartou o convite da presidenta Dilma afirmando que pretende desenvolver material para ensino básico a médio prazo, tendo tablets como plataforma principal, mas ponderando que isso não pode ser feito para “amanhã”. De qualquer maneira, a tentativa de parceria levanta uma reflexão sobre o que se precisa ser feito no ensino brasileiro.

As videoaulas preparadas pela Khan Academy não resolvem os problemas que enfrentam professores e alunos nas escolas públicas, sobretudo porque são mais adaptados, na realidade, à formação autodidata e ao reforço escolar. Além disso, apesar da ilusão de novidade e de milagre tecnológico que parece ter impressionado o Governo, o MEC não precisa divulgar a plataforma Khan uma vez que ela já é acessível a quem quiser usá-la.

Para aprofundar a discussão desse tema, a Contee procurou a professora Helena de Freitas, doutora em Educação pela Unicamp e integrante da Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação (Anfope). “A socialização de experiências entre os países é sempre interessante, quando são respeitados os profissionais responsáveis pelos processos pedagógicos nas escolas de educação básica”, pondera Helena.

– À primeira vista, nos parece que o ministério, mas sobretudo a presidenta Dilma, ao firmar o convite ao Sr. Khan para ‘desenvolver pesquisas educacionais e materiais pedagógicos específicos para serem usados no processo do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa’, demonstra certa falta de sintonia não apenas com os programas atuais que há anos vêm envolvendo nossas escolas, mas sobretudo certo desconhecimento da rica produção de nossos educadores e cientistas em todas as áreas curriculares, tanto no âmbito da alfabetização das crianças das séries iniciais quanto no do apoio aos professores do ensino médio – afirmou.

A professora atuou como coordenadora-geral de Programas de Apoio à Formação e Capacitação Docente da Educação Básica da Capes, entre fevereiro de 2008 e janeiro de 2009, e também na Coordenação-Geral de Formação de Professores da Secretaria de Educação Básica do MEC, entre fevereiro de 2009 e agosto de 2011, responsável pelos Programas de Formação Continuada de Professores da Educação Básica e pelo Programa Profuncionário.

Salman Khan esteve no Palácio do Planalto a convite da presidenta e do ministro da Educação. Mais cedo, ele participou de seminário sobre educação digital no MEC. Segundo Mercadante, Dilma mostrou interesse na plataforma desenvolvida pela Khan Academy – organização sem fins lucrativos com mais de 3,8 mil videoaulas gratuitas postadas na internet – por acreditar que o processo de educação no país precisa dar um salto de qualidade e que, para isso, é necessário explorar novas tecnologias.

– A tecnologia não pode ser recusada por nós, educadores, mas, sem um projeto educativo com uma concepção de formação humana que a sustente, é inócua. Ainda mais quando os conteúdos e as metodologias são produzidos em países que não apenas possuem outra cultura, mas principalmente que não resolveram internamente esses mesmos problemas – aponta Helena.