Verba de patrocínio é devolvida por Carlinhos Brown

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 1 de março de 2003 as 11:23, por: cdb

Salvador – O músico Carlinhos Brown não teve um bom início de carnaval. Pressionado pelo Ministério Público, por um deputado estadual e por órgãos de comunicação da capital baiana, ele decidiu devolver nesta sexta-feira uma verba de R$ 200 mil que recebeu da Empresa Baiana de Turismo (Bahiatursa) para o seu Camarote Andante, projeto que já tem o patrocínio de uma empresa telefônica.

Depois que as emissoras de rádio Metrópole e Sociedade denunciaram a doação há uma semana, o deputado estadual Walmir Mota (PPS) pediu ao Ministério Público Estadual que investigasse o contrato firmado entre a Bahiatursa e a Nariz de Borracha Produções Artísticas, que pertence ao músico. Mota argumentou que a doação foi uma “flagrante concessão de regalias” e vai de encontro à legislação estadual que proíbe a ajuda financeira do Estado a entidades carnavalescas que não se apresentem para o povo em geral. No Camarote Andante só entra os convidados de Brown ou as pessoas sorteadas num concurso promovido pela empresa telefônica que o patrocina.

Na sua carta enviada ao presidente da Bahiatursa, Cláudio Taboada, Carlinhos Brown explicou ter decidido devolver o dinheiro para preservar a imagem da empresa estadual e lamenta que a “mídia não tenha compreendido seu projeto”. Brown também está às voltas com o fechamento do Candyall Guetho Square, a casa de espetáculos de ensaios da Timbalada. Situada num bairro residencial, o Candyall vem sendo pressionado a fechar pelo Ministério Público Estadual a pedido dos moradores do Bairro Jardim Brasil, vizinho ao Candeal Pequeno, onde se localiza a casa de espetáculos. Irritado Brown tem declarado que vai fechar definitivamente o espaço e promover os ensaios da Timbalada em outro local. Também anunciou que pretende processar o radialista Raimundo Varella da Rádio Sociedade, a quem acusa de perseguí-lo.