Veneza sofre com baixo nível da água

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 16 de janeiro de 2005 as 11:16, por: cdb

A cidade turística de Veneza, acostumada ao fenômeno da “água alta”, mostrou nos últimos dias um de seus lados mais desconhecidos, com insólitas marés baixas que obrigaram várias gôndolas a parar.

Embora os venezianos estejam habituados à queda do nível da água nesta época, este ano as altas pressões se aliaram com a posição do Sol, da Terra e da Lua para criar extraordinárias marés baixas, que revelaram os lamacentos fundos de muitos canais.

Entre os prejudicados estão os populares “vaporettos”, o transporte público veneziano, que teve muitas de suas linhas desviadas para evitar canais com pouca profundidade, normalmente muito transitados.

Apesar de estarem preparados para a navegação em águas baixas, esses transportes venezianos, que percorrem a cidade há mais de 120 anos, negaram-se a transitar por canais como o Cannaregio e o Scomenzera, no centro histórico, diante da ameaça de ficarem encalhados.

A circulação marítima ficou concentrada nos quatro quilômetros do Grande Canal, a principal artéria da cidade, que, com uma profundidade máxima de cinco metros, é um dos poucos trajetos onde a navegação está garantida.

Em uma cidade onde a grande maioria dos serviços públicos depende dos barcos, desde a coleta de lixo até os bombeiros, a repentina redução da água criou um labirinto de canais desertos e silenciosos.

“Para os turistas não é tão grave porque as gôndolas podem buscar vias alternativas; o pior é para os que vivem aqui, já que muitos serviços, como o das ambulâncias, não podem navegar”, disse o responsável por um dos hotéis da Praça São Marcos.