Vendas de motos cresce no nordeste

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 28 de fevereiro de 2003 as 18:20, por: cdb

Agilidade nos centros urbanos e o baixo custo de aquisição e manutenção têm sido os principais motivos para os aumentos sucessivos nas vendas de motos no País nos últimos anos. Ao lado desses fatores, um outro mercado consumidor vem comprando mais: a região Nordeste.

Segundo o presidente da Associação Brasileira de Distribuidores Honda (Assohonda), Pedro Cavalcanti Freire, de cada cem motos vendidas pela Honda – principal marca do País, com 87% de participação de mercado -, 25 são destinadas às cidades nordestinas. “Esse índice dobrou nos últimos dez anos”, afirma.

A deficiência nos transportes públicos e o preço acessível da moto explicam a preferência do nordestino. Segundo Freire, o uso da moto no Nordeste é bastante diversificado. “Alguns utilizam o veículo para trabalhar na cidade, outros para o lazer e outros ainda para atividades no campo”, afirma.

A moto também substitui táxis e jegues. Mas como muitos moto-taxistas atuam no mercado informal, não há dados confiáveis sobre o total de veículos usados neste transporte. “A cidade de Campina Grande, na Paraíba, por exemplo, tem 790 moto-táxis cadastradas, mas existem outras 1,5 mil circulando irregularmente”, diz Freire, que é revendedor da Honda na cidade. No campo, a moto também substitui animais em atividades de ronda e transporte de pequenas cargas e de trabalhadores.

A associação, formada por 556 concessionárias, registrou recorde de vendas de motocicletas em 2002, com 682,4 mil motos comercializadas, resultado 12% maior que o do ano anterior. Para 2003, a meta é de um crescimento de 20%, para 820 mil veículos. No ano passado, as vendas da Honda, segundo dados da Abraciclo, somaram 562,5 mil unidades.

O consórcio detém 40% de participação nos negócios e para este ano a perspectiva é aumentar o número de cotas vendidas de 527,976 mil em 2002 para 601,5 mil, um acréscimo de 14%. “Com os aumentos consecutivos da Selic, o consórcio passou a ser uma das melhores opções para a compra de uma motocicleta”, avalia Freire. Segundo ele, com uma mensalidade de aproximadamente R$ 80 é possível adquirir uma cota de consórcio de uma moto de 125 cilindradas em 60 meses.