Velejador alemão elogia Baía de Guanabara

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 23 de setembro de 2015 as 10:41, por: cdb

Por Redação, com DW – de Berlim:

O velejador alemão Erik Heil, que voltou do Rio de Janeiro com infecções bacterianas após participar de um evento-teste na Baía de Guanabara, declarou ao jornal alemão Der Tagesspiegel que há duas semanas retornou aos treinos e que “está tudo bem” de novo.

Ele atribuiu as infecções na perna à água da Marina da Glória: “Disseram que lá os resíduos hospitalares são jogados diretamente na água.” Heil disse não ter certeza sobre a origem das infecções. Segundo ele, cada médico tinha uma opinião diferente. Para a maioria deles, a água era a responsável. Para outro, as infecções podem ter sido causadas por um inseto. “O último disse que esse tipo de coisa simplesmente pode acontecer”, declarou.

Para Erik Heil, que voltou de evento-teste com infecções bacterianas na perna, não há outro lugar no mundo que tenha ventos e marés tão desafiantes
Para Erik Heil, que voltou de evento-teste com infecções bacterianas na perna, não há outro lugar no mundo que tenha ventos e marés tão desafiantes

Questionado se teve uma impressão ruim da água quando estava velejando, Heil declarou que “não, de forma alguma”. Para o velejador da classe 49er, a Baía de Guanabara é um local extraordinário, que, devido aos ventos e marés, oferece condições muito difíceis para os atletas.

– Não há um outro lugar no mundo que seja tão desafiante. É um lugar onde dá gosto velejar. Isso compensa um pouco uma lesão em três anos – afirmou.

Sobre a má experiência com a qualidade da água, Heil declarou que ele e a sua equipe ainda estão analisando alternativas. Uma opção é usar roupas de neoprene com exterior liso, a exemplo dos triatletas. Eles querem também levar consigo um sabão antibactérias para lavar as roupas.

A alternativa mais insólita, porém, é usar calças de pescador, que são feitas de uma borracha grossa e evitam o contato da pele com a água, na hora de levar as embarcações do porto até o local de início da prova.