Vasco dá adeus à Copa do Brasil

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 14 de maio de 2003 as 23:53, por: cdb

Numa partida eletrizante, Vasco e Cruzeiro empataram em 1 x 1, nesta quarta-feira, em São Januário. Como vencera por 2 x 1 no Mineirão, a Raposa se classificou para as semifinais da Copa do Brasil e espera o vencedor do duelo entre São Paulo e Goiás. Com o resultado, o time mineiro aumentou sua invencibilidade para 34 jogos.

O primeiro tempo foi todo do Cruzeiro. Não fossem as defesas do goleiro Fábio e a falta de pontaria dos atacantes, o time mineiro poderia ter ido para o intervalo com uma goleada. Logo aos 2 min, Deivid deu as cartas num forte chute de fora da área, mas a bola passou rente ao travessão.

Com Marcelinho visivelmente mancando e inoperante, o Vasco dava muito espaço para o Cruzeiro chegar com perigo. Aos 12 min, Leandro avançou pela esquerda e tocou para Alex, livre de marcação dentro da área, encher o pé e abrir o placar. Minutos depois, Sandro e Deivid desperdiçaram boas oportunidades para ampliar.

Enquanto o Vasco seguia sem ameaçar o gol de Gomes, o Cruzeiro abusava dos gols perdidos. Aos 19 min, Alex ajeitou de cabeça para Aristizábal pegar de primeira, mas a bola saiu raspando a trave direita de Fábio. Aos 28 min, Leandro driblou Russo com facilidade e cruzou para Deivid na pequena área. Wellington Monteiro abafou o chute do atacante e salvou o time carioca.

No final da primeira etapa, a torcida do Vasco, que lotou São Januário, trocou os gritos de “burro” destinados ao técnico Antônio Lopes por gritos de agradecimentos ao goleiro Fábio: Alex cobrou falta com precisão e o goleiro voou para espalmar a córner. A bola ainda resvalou na trave antes de sair, numa defesa milagrosa.

O panorama no segundo tempo mudou completamente. Com Danilo no lugar de Marcelinho, o time cruzmaltino voltou mais aceso e mais organizado em campo. Aos 6 min, o Cruzeiro ficou com menos um jogador: Augusto Recife, que já tinha cartão amarelo, foi expulso num lance infantil ao impedir a cobrança de uma falta.

Empurrado pela torcida, o Vasco dava a impressão de que chegaria ao gol a qualquer momento. E o empate veio aos 15 min, quando Edmundo deixou Souza cara a cara com Gomes. O atacante teve tranqüilidade para escolher o canto e incendiar o jogo.

Acuado, o Cruzeiro se segurava na defesa e tentava explorar os contra-ataques. Num deles, aos 23 min, Alex foi derrubado no bico esquerdo da grande área. Na cobrança de falta, a zaga do Vasco falhou e Wendell cabeceou para fora, com perigo.

Com Edmundo brigando muito e com Souza inspirado, o time cruzmaltino aumentava a pressão. Aos 32 min, Souza colocou a bola entre as pernas de Thiago, foi à linha de fundo e cruzou para Marques chutar e Gomes efetuar um milagre. Seis minutos depois, Danilo cruzou, Edmundo resvalou de cabeça e a bola sobrou limpa para Wellington Paulo. O zagueiro, porém, ao invés de escorar com o pé, tentou dar um “peixinho” e acabou colocando a mão na bola.

Aos 42 min, o Vasco tentou sua última cartada com Edmundo cobrando falta, mas a bola saiu rente ao travessão.

VASCO 1 x 1 CRUZEIRO

Vasco
Fábio, Russo, Wescley, Wellington Paulo e Wellington Monteiro; Da Silva, Rodrigo Souto (Léo Lima), Marcelinho (Danilo) e Cadu (Souza); Marques e Edmundo
Técnico: Antônio Lopes

Cruzeiro
Gomes, Maurinho, Thiago, Edu Dracena e Leandro; Augusto Recife, Wendell, Sandro e Alex (Mota); Deivid (Márcio) e Aristizábal (Maicon)
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

Data: 14/5/2003 (quarta-feira)
Local: estádio São Januário, no Rio
Juiz: Heber Roberto Lopes (Fifa-PR)
Cartões amarelos: Augusto Recife, Deivid e Aristizábal (Cruzeiro); Danilo e Da Silva (Vasco)
Cartão vermelho: Augusto Recife (Cruzeiro)
Gols: Alex, aos 12 min do primeiro tempo; Souza, aos 15 min do segundo tempo