Vanessa quer garantir competitividade da Zona Franca de Manaus

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 3 de junho de 2011 as 14:25, por: cdb

A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) fez um apelo, esta semana, para que o governo assegure a manutenção da competitividade da indústria de informática instalada na Zona Franca de Manaus. Ela lembrou que a Medida Provisória 517 propõe a extensão de benefícios que eram dados à Zona Franca a outros estados brasileiros.Com a medida, disse a senadora, é bastante provável que as indústrias migrem para estados da região Sudeste, causando desemprego e trazendo prejuízos ao polo de produção da Zona Franca.

“Não sei por quanto tempo essas indústrias continuarão instaladas em Manaus porque o incentivo estará no Brasil inteiro. Não queremos a exclusividade de nada, mas também queremos ser competitivos. A indústria só entende número e não nomes”, observou a parlamentar.

A senadora mencionou que a Zona Franca tem sofrido modificações ao longo da última década. De acordo com ela, houve um decréscimo na participação da informática no Pólo Industrial de Manaus, de 17% em 2000 para 9% em 2010.

Atualmente, acrescentou, existem cinco indústrias no polo que fabricam modem (equipamento para conexão de computadores à internet). Uma vez aprovada a medida provisória, a senadora acredita ser pouco provável a permanência dessas indústrias no estado.

“O presidente Lula foi muito atencioso e responsável com a Zona Franca e a presidente Dilma garantiu que não vai permitir que se tire competitividade de qualquer uma das unidades da federação brasileira. Ontem quando se reuniu com os governadores para tratar da Copa ( do Mundo de 2014) disse que não irá permitir que nada aconteça com a Zona Franca”, relatou.

Vanessa Grazziotin informou que a bancada de senadores e deputados amazonenses reuniu-se com o governador do Amazonas, Omar Aziz, e com o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Fernando Pimentel, para tratar do assunto. Os parlamentares também deverão pedir apoio ao ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante.

Agência Senado