Van Praag desiste de concorrer à presidência da Fifa

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 21 de maio de 2015 as 12:37, por: cdb
Presidente de federação holandesa de futebol, Michael van Praag
Presidente de federação holandesa de futebol, Michael van Praag

 

O presidente de federação holandesa de futebol, Michael van Praag, desistiu de concorrer à presidência da Fifa na eleição da semana que vem e irá usar sua influência para apoiar o príncipe Ali Bin Al Hussein na disputa, informou o holandês nesta quinta-feira.

– Michael van Praag decidiu retirar sua candidatura para se tornar o próximo presidente da Fifa e somar forças com o candidato presidencial Ali Al Hussein – informou um comunicado publicado pelos organizadores de sua campanha.

O dirigente acrescentou ter tomado a decisão depois de “ponderar e refletir longamente com as várias partes e interessados envolvidos”.

Com o anúncio de Van Praag, o príncipe jordaniano Ali e o ex-jogador português Luis Figo serão os únicos adversários do atual ocupante do cargo, Joseph Blatter.

Agora as atenções se voltam para Figo. Um porta-voz do ex-meia da seleção de Portugal não foi encontrado de imediato para comentar, embora na quarta-feira tenha negado insinuações de que o ex-jogador, de 42 anos, também desistiria.

Blatter propõe “jogo da paz”

Presidente da Fifa, Sepp Blatter, durante entrevista coletiva em Jerusalém
Presidente da Fifa, Sepp Blatter, durante entrevista coletiva em Jerusalém

Em visita ao Oriente Médio para tentar persuadir a Federação Palestina (PFA) a retirar uma proposta que busca suspender Israel da entidade que controla o futebol mundial, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, propôs na terça-feira um jogo da paz entre as duas seleções.

Blatter concedeu uma entrevista coletiva em Jerusalém depois de se reunir com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e disse que estava “em missão de paz”. Ele se encontrará com o presidente palestino, Mahmoud Abbas, e o chefe da Federação Palestina, Jibril Rajoub, na quarta-feira.

A PFA acusa Israel de dificultar suas atividades e de restringir a circulação de jogadores entre a Faixa de Gaza e a Cisjordânia ocupada. Israel cita preocupações de segurança para impor as restrições.

Embora Blatter tenha se recusado a detalhar o que foi dito na reunião com Netanyahu e o presidente da federação israelense, Ofer Eini, sobre a pauta palestina no Congresso da Fifa em 29 de maio, ele afirmou que poderia revelar seu plano para um “jogo da paz”.

– Um item que eu posso te dizer que eu falei com (Netanyahu)… organizar uma partida para a paz entre as seleções de Israel e da Palestina, e a Fifa ficaria feliz em organizá-la – disse Blatter.

Ele acrescentou que Netanyahu prometeu que participaria de um jogo assim, mas, com a inimizade entre israelenses e palestinos em nível alto, é difícil de imaginar uma partida num futuro próximo.