Valorização do povo brasileiro deu o tom do discurso de posse de Lula

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 1 de janeiro de 2003 as 23:49, por: cdb

A valorização do povo brasileiro deu o tom do discurso de posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na Câmara dos Deputados. “Hoje é o dia do encontro do Brasil consigo mesmo”, disse Lula.

Ao longo dos 42 minutos de fala, o presidente enfatizou a busca por mudanças como principal razão da sua vitória nas urnas e deixou claro que a melhoria de vida de todos os brasileiros será o principal foco do seu governo.

“Quando olho para a minha própria vida de retirante nordestino, de menino que vendia amendoim e laranja no cais de Santos, que se tornou torneiro mecânico e líder sindical; que um dia fundou o Partido dos Trabalhadores e acreditou no que estava fazendo e agora assume o posto de supremo mandatário da nação, eu vejo e eu sei, com toda clareza e com toda convicção, que nós podemos muito mais”, enfatizou.

Lula criticou o atual modelo econômico e disse que vai promover as reformas necessárias para que o país volte a se desenvolver. “Diante do esgotamento de um modelo que produziu estagnação, desemprego e fome, fracasso da cultura do individualismo e indiferença perante o próximo, desesperança da família, precariedade da segurança nacional e desrespeito aos mais velhos e desalento aos mais novos, a sociedade brasileira escolheu mudar e começou ela mesma a promover a mudança necessária”, declarou.

Entretanto, o presidente pediu paciência e perseverança, afirmando que as mudanças serão feitas de forma gradual. “Teremos de manter sob controle as nossas muitas e legítimas ansiedades sociais, para que elas possam ser atendidas no ritmo adequado e no momento justo; teremos que pisar na estrada com os olhos abertos e caminhar com os passos pensados, precisos e sólidos, pelo simples motivo de que ninguém pode colher os frutos antes de plantar as árvores”, ressaltou, ao convocar a sociedade a formar o que ele chamou de mutirão cívico.

Lula afirmou que acredita no potencial brasileiro e disse que o país “pode dar, e vai dar, um verdadeiro salto de qualidade”. Entre as qualidades do país enaltecidas por Lula, estão a potencia agrícola, a sua estrutura urbana e industrial, a biodiversidade, a riqueza cultural, a sua criatividade e a competência intelectual e científica, além do “calor humano, dons e pelos poderes do seu povo”.

O presidente foi enfático ao chamar a atenção para o combate à corrupção. “Vamos combater a corrupção e enfrentar com determinação a cultura da impunidade que prevalece em certos setores. Não permitiremos que a corrupção, a sonegação e o desperdício continuem privando a população de recursos que são seus e que poderiam ajudar na sua dura luta pela sobrevivência”, disse ele, num momento em que foi fortemente aplaudido.

O pacto social também foi tema do discurso de Lula. Ele lembrou que o país vive um momento em que em que o presidente tem ao seu lado a vontade nacional, o empresariado e as forças trabalhadoras, unindo toda a sociedade.

“Trata-se de uma energia solidarista que nossa campanha despertou e que não podemos e não vamos desperdiçar”, destacou.

Lula encerrou o seu discurso enaltecendo, mais uma vez a população, com o grito de guerra reproduzido em um dos seus comerciais de campanha: “viva o povo brasileiro”.