Vacinação contra febre amarela é intensificada no verão

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 30 de dezembro de 2003 as 10:25, por: cdb

O verão já começou e a grande maioria da população escolhe essa época do ano para curtir as férias. Mas para tudo correr bem é preciso se programar. Escolher o lugar, hospedagem, roteiro, passagens, arrumar as malas e, não menos importante, se vacinar contra doenças que podem estragar esse momento tão esperado. Uma delas é a febre amarela. A vacina está disponível nos postos de saúde de todo o Brasil e nos postos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) presentes em todos os aeroportos do País.

O Ministério da Saúde recomenda que todos os turistas com destino às regiões consideradas áreas endêmicas da febre amarela tomem a vacina. As regiões Norte e Centro-Oeste, o estado do Maranhão e oeste dos estados da Bahia, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul são os locais de maior risco de se contrair a doença. “O ideal é se vacinar com dez dias de antecedência para que o organismo tenha tempo de produzir anticorpos”, destaca Expedito Luna, consultor técnico do Ministério da Saúde.

Qualquer pessoa pode se vacinar. A dose não apresenta contra-indicações e deve ser tomada a partir dos seis meses de vida nos locais de risco e dos nove meses em áreas indenes. “A recomendação do Ministério é que todos os que estão planejando passar suas férias nas regiões endêmicas da febre amarela procurem os postos de vacinação”, reforça Expedito Luna.

Doença infecciosa

A febre amarela é uma doença infecciosa, causada pelo vírus amarílico. A doença ataca o fígado e os rins e pode levar à morte. Existem dois tipos diferentes de febre amarela: a urbana e a silvestre. A principal diferença é que nas cidades, o transmissor da doença é o mosquito Aedes aegypti, o mesmo da dengue. Nas matas, a febre amarela ocorre em macacos e os principais transmissores são os mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes, que picam preferencialmente esses primatas.

Esses mosquitos vivem também nas vegetações à beira dos rios. Primeiro picam o macaco doente e depois, o homem. “É importante ressaltar que a febre amarela silvestre só ocorre em humanos ocasionalmente. São os macacos os principais hospedeiros”, destaca Expedito Luna. “Os mosquitos transmissores só picam homens que invadem o habitat dos macacos”, acrescenta.

O último caso de febre amarela urbana registrado no Brasil foi em 1942, no Acre. Já a forma silvestre da doença provoca surtos localizados anualmente. As principais áreas onde ocorrem são na Bacia Amazônica, incluindo as grandes planícies da Colômbia e regiões orientais do Peru e da Bolívia, e na parte setentrional da América do Sul.

A maior incidência da doença acontece nos meses de janeiro a abril, período das chuvas. Nessa época, há um aumento da quantidade do mosquito transmissor e maior atividade agrícola, que leva ao deslocamento de um número maior de pessoas às áreas com risco de transmissão.

Uma das ações do Ministério da Saúde para o controle da doença no país é a exigência do Certificado Internacional de Vacinação contra a febre amarela para todos os turistas vindos da Bolívia, Peru, Venezuela, Guiana Francesa e África. Nos últimos três anos, mais de 60 milhões de pessoas foram vacinadas no Brasil. Nas regiões endêmicas, a vacina contra febre amarela é aplicada de forma rotineira.

Prevenção

Além das campanhas de vacinação, é necessário informar a população sobre a ocorrência da doença e como evitá-la. O risco da reintrodução da febre amarela urbana pode ser reduzido com o controle do Aedes aegypti. O mosquito transmissor prolifera em qualquer local onde se acumule água limpa parada, como caixas d’água, cisternas, latas, pneus, cacos de vidro e vasos de plantas.

Dos ovos surgem as larvas, que, depois de algum tempo na água, vão formar novos mosquitos adultos. O combate ao mosquito deve ser feito de duas maneiras: eliminando os mosquitos adultos e, principalmente, acabando com os criadouros de larvas.