Uso de bases em guerra é negado aos EUA por ministro saudita

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 26 de fevereiro de 2003 as 14:35, por: cdb

O ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita, Saud Al-Faisal, negou hoje, quarta-feira, que seu país tenha chegado a um acordo com os EUA para que as tropas deste país usem as bases e infra-estruturas sauditas em um possível ataque contra o Iraque.

Em declarações aos jornalistas na cidade de Jedá, no litoral oeste do país, Al-Faisal disse que os 5.000 soldados americanos posicionados na base aérea Príncipe Sultan só podem vigiar as áreas de exclusão aérea impostas unilateralmente pelos EUA no sul do Iraque.

Al-Faisal desmentiu assim informações publicadas hoje, quarta-feira, na imprensa dos Estados Unidos, que asseguravam, citando a fontes diplomáticas, que Riad tinha permitido a Washington o uso de suas bases, especialmente pistas de aterrissagem e radares em apoio de seus aviões de combate.

O chanceler saudita acrescentou que Riad estudará uma mudança de postura sobre a presença de tropas dos Estados Unidos em seu território “se as circunstâncias mudarem”.

Os Estados Unidos têm em todo Oriente Médio Pérsico cerca de 200.000 soldados, a maioria dos quais participará de uma possível invasão do Iraque se o regime de Bagdá não colaborar para destruir seu suposto arsenal de armas de destruição em massa.

A Arábia Saudita, que foi um dos principais aliados dos EUA durante a guerra que expulsou os iraquianos do Kuwait em 1991, agora é contrária a participar de uma operação bélica contra o Iraque.