Unicef pede ação contra exploração sexual de menores

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 13 de dezembro de 2001 as 15:03, por: cdb

A Unicef – o Fundo das Nações Unidas para a Infância – acaba de produzir um relatório intitulado Lucrando com o Abuso, no qual pede que todo governo adote e imponha leis que impeçam a venda de crianças, a prostituição infantil e a pornografia envolvendo menores. Segundo o relatório, cerca de 1 milhão de crianças são exploradas pelo comércio sexual mundial todo ano – o problema, diz o texto, é mais grave nos países em desenvolvimento.

De acordo com o documento da Unicef, atualmente existem nas Filipinas cerca de 100 mil prostitutas menores de idade – número cinco vezes maior do que o registrado há 15 anos. As causas que mais costumam induzir menores de idade ao comércio sexual são a pobreza, discriminação racial, guerras e tráfico de drogas.

O documento da Unicef afirma que menores que têm de fugir de seus lares por estarem em uma região de conflito estão sujeitos a prestar favores sexuais a guardas de fronteiras ou a militares. Um sinal positivo foi dado este ano, no Tribunal Internacional de Crimes de Guerra para a Antiga Iugoslávia, que se tornou o primeiro órgão a declarar que estupro em períodos de guerra representa um crime contra a humanidade.

Segundo a Unicef, o multibilionário mercado de exploração sexual de menores só pode ser combatido por meio de uma política global de tolerância zero, que envolveria duras penas para os transgressores. Na próxima semana será realizado no Japão um congresso onde se discutirá a exploração comercial de menores.