Unicef diz haver relatos de 25 crianças mortas após ataques na Síria

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 27 de junho de 2016 as 13:25, por: cdb

Deir al-Zor liga a capital de fato do Estado Islâmico na cidade síria de Raqqa a territórios sob seu comando no Iraque

Por Redação, com agências internacionais – de Beirute:

Cerca de 25 crianças teriam morrido em ataques aéreos que atingiram áreas densamente povoadas de uma cidade do leste da Síria, informou o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

Citando relatos de seus parceiros locais em solo sírio, a entidade disse que agentes de saúde teriam retirado corpos de crianças de destroços na cidade de Al-Quria, da província de Deir al-Zor, majoritariamente controlada pelo Estado Islâmico.

Cerca de 25 crianças teriam morrido em ataques aéreos que atingiram áreas densamente povoadas de uma cidade do leste da Síria
Cerca de 25 crianças teriam morrido em ataques aéreos que atingiram áreas densamente povoadas de uma cidade do leste da Síria

No sábado, o grupo de monitoramento Observatório Sírio dos Direitos Humanos relatou que os ataques aéreos realizados por aviões de guerra sírios ou russos mataram dezenas de pessoas em Al-Quria.

Deir al-Zor liga a capital de fato do Estado Islâmico na cidade síria de Raqqa a territórios sob seu comando no Iraque.

– Há relatos de que três ataques atingiram áreas densamente povoadas, incluindo uma mesquita, durante o momento das orações – disse a organização em comunicado. “A organização do Unicef deplora estes ataques e pede a todas as partes do conflito que poupem as crianças.”

Libertação de Fallujah

As forças iraquianas anunciaram no domingo terem libertado totalmente Fallujah, uma cidade do oeste do Iraque nas mãos do grupo extremista “Estado Islâmico” (EI) desde janeiro de 2014.

O comandante das operações, general Abdelwahab al-Saadi, anunciou que a cidade foi libertada depois das forças de elite antiterrorismo assumirem o controle do bairro Jolan, no noroeste da cidade. “Não demorou mais de duas horas para reconquistar. O EI não disparou uma única bala”, afirmou um porta-voz das forças iraquianas.

As forças de segurança iraquianas haviam lançado em 23 de maio uma ofensiva para reconquistar um dos mais emblemáticos bastiões do EI, localizado a apenas 50 quilômetros a oeste de Bagdá. Em 17 de junho, elas conseguiram libertar o edifício da administração local, mas restaram focos de jihadistas em bairros da cidade. Já então o primeiro-ministro do Iraque, Haider al-Abadi, havia declarado vitória.

Os militares iraquianos tiveram o apoio de ataques aéreos da coalizão liderada pelos Estados Unidos e por tropas paramilitares, a maioria delas milícias xiitas.

Dezenas de milhares de habitantes da cidade fugiram desde o início da ofensiva, e o regresso delas pode se revelar complicado devido à ampla presença de explosivos nas ruas e edifícios. As Nações Unidas calculam que 85 mil pessoas deixaram Fallujah desde o início da operação.