União fatura mais de R$ 5 bilhões com licenças para 3G

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 20 de dezembro de 2007 as 12:45, por: cdb

Em apenas dois dias de leilão, o governo arrecadou cerca de R$ 5,3 bilhões com o leilão de licenças de telefonia móvel de terceira geração (3G), organizado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e concluído nesta quinta-feira. Ao todo, os preços mínimos dos 36 lotes em disputa chegavam a perto de R$ 2,8 bilhões de reais. A 3G da telefonia móvel permite serviços avançados como a realização de teleconferências pelo celular.

Na manhã desta quinta-feira, foram vendidas oito licenças para cobertura em cidades de Minas Gerais e do Paraná. As empresas Claro e TIM compraram dois lotes cada, para ambas as áreas. Telemig e Oi também levaram licenças de Minas, enquanto Vivo e Brasil Telecom adquiriram os lotes restantes para municípios paranaenses. O leilão começou na terça-feira, dia em que houve maior disputa pelos primeiros lotes ofertados, para os quais o ágio médio superou 160%. Oito grupos disputaram o leilão de frequências promovido pelo governo, segundo a Anatel, mas nem todos tiveram sucesso.

Na disputa pela cobertura na maior parte do Estado de São Paulo, as quatro principais empresas de telefonia móvel do país conquistaram licenças para operar a terceira geração. Também foram elas que arremataram, no geral, mais lotes: a Claro, do grupo mexicano América Móvil, ficou com nove. A TIM, do grupo italiano de mesmo nome, levou oito. A Vivo, joint-venture da Portugal Telecom e da Telefónica, comprou sete licenças, e a Oi ficou com cinco.

A CTBC adquiriu três licenças e a Brasil Telecom e a Telemig, recentemente comprada pela Vivo, ficaram com duas cada. Até o momento, apenas a Oi se manifestou oficialmente sobre o resultado do leilão.