União Européia aprova força de paz para Afeganistão

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 14 de dezembro de 2001 as 19:15, por: cdb

Os países da União Européia decidiram nesta sexta-feira criar uma força de paz internacional para o Afeganistão. A decisão foi tomada durante uma reunião dos 15 estados-membros em Laeken, perto da capital da Bélgica, Bruxelas e o ministro das Relações Exteriores belga, Louis Michel, anunciou que os 15 países da União Européia participarão da missão, que deverá envolver de 3 mil a 4 mil pessoas.

Em um encontro paralelo, em Londres, representantes militares da Europa, Estados Unidos, Jordânia e Turquia estão discutindo os termos em que a força de paz será formada. Segundo o chefe de política externa da União Européia, Javier Solana, a missão provavelmente será liderada pela Grã-Bretanha.

Ainda de acordo com Solana, a missão deverá ser submetida ao Conselho de Segurança das Nações Unidas.
Segundo os planos anunciados, a chegada dos primeiros soldados à capital afegã, Cabul, deve coincidir com a posse do governo interino, o que deve ocorrer em pouco mais de uma semana. O objetivo da missão será manter a estabilidade nos arredores de Cabul durante a transição de poder.

Louis Michel se referiu à decisão da União Européia como a primeira intervenção de importância do bloco em uma situação de crise. Segundo o ministro belga, a decisão – que teria sido unânime – é um marco na definição da “segurança e da política de Defesa da Europa”. “Acho que se pode dizer que se trata de um ponto de virada na história da União Européia”, disse Michel.

No entanto, o ministro da Grã-Bretanha para a Europa, Peter Hain disse que a missão não deve ser definida como uma força de paz européia. “É uma força internacional à qual a Europa está dando total apoio”, disse Hain, acrescentando ainda que o Canadá e os Estados Unidos também participarão da missão.

Segundo Hain, o bloco ainda não dispõe de uma força de segurança emergencial que esteja pronta para entrar em operação em uma situação como a do Afeganistão. A formação de uma força de segurança emergencial é um dos pontos polêmicos no debate sobre a formação política de defesa do bloco.

Europa e Estados Unidos estão discutindo a formação de uma força de paz para o Afeganistão desde a conferência sobre o futuro do país em Bonn, na Alemanha. Um dos pontos mais polêmicos da discussão é estabelecer como se dará o relacionamento entre a força de paz e as tropas americanas que estão atuando na região.

O secretário de Estado americano, Colin Powell, disse nesta semana que haverá duas operações separadas, frustrando as expectativas de generais americanos que esperavam controlar as duas forças. O primeiro resultado significativo da reunião do bloco europeu foi recebido com protestos. Críticos da globalização e membros de sindicatos contestaram a decisão com uma marcha pelas ruas de Bruxelas, com forte esquema de segurança por causa do evento.

Nos próximos dois dias da cúpula, os 15 chefes de governo da União Européia discutirão esforços para coibir o terrorismo e lançar um programa de reforma das instituições do bloco. Os países também deverão instituir um mandado de prisão válido em toda a Europa, uma definição comum de terrorismo e uma lista conjunta de organizações terroristas.