UnB e UFSC só voltam às aulas em janeiro

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 10 de dezembro de 2001 as 23:30, por: cdb

Os alunos da Universidade de Brasília (UnB) só terão mesmo aulas em janeiro. O Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão da universidade decidiu marcar para o dia 7 de janeiro o reinício do segundo semestre. Na quinta-feira passada, os professores da UnB formalizaram o fim da greve, depois de 107 dias parados. Como o acordo entre o governo, o Congresso e o comando nacional de greve previa retorno imediato ao trabalho, os docentes decidiram retornar às salas nesta semana para tratar do conteúdo das disciplinas com os alunos e discutir a paralisação.

A universidade alega que até a primeira semana de janeiro não haverá tempo para aulas. Além do recesso de Natal e Ano Novo, a partir do dia 21, a instituição realizará as matrículas, o vestibular e as provas do sistema alternativo de ingresso. O segundo semestre de 2001, que deveria se encerrar no início deste mês, deverá terminar no dia 27 de abril. As provas do vestibular ficaram para os dias 4, 5 e 6 de janeiro.

Na Universidade Federal de Santa Catarina, as aulas também vão ser retomadas depois do recesso de Natal e Ano Novo. A instituição alega que, na próxima semana, as salas estarão ocupadas pelos estudantes que vão fazer vestibular. “Seria pouco pedagógico e não teria sentido chamar os alunos para voltar agora e interromper novamente o período letivo”, disse o reitor Rodolfo Joaquim da Luz.

O Sindicato Nacional dos Docentes (Andes) recomendou às seções sindicais que retomassem as aulas nesta semana. “O compromisso é cumprirmos os cem dias letivos previstos neste semestre”, afirmou o sindicalista José Domingues Godói, do comando nacional de greve.

Nesta semana, os líderes do Andes estarão no Senado à espera da aprovação do projeto de reajuste médio de 13% no salário-base dos professores. A proposta foi aprovada na semana passada no plenário da Câmara. Depois do Senado, o projeto será enviado ao Palácio do Planalto para sanção do presidente Fernando Henrique Cardoso.