Ucrânia nega ter abatido avião e Rússia suspeita de ato terrorista

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 4 de outubro de 2001 as 14:06, por: cdb

O avião russo que seguia de Israel para a Rússia e caiu no Mar Negro esta quinta-feira pode ter sido abatido, acidentalmente, por um míssil da Ucrânia. Segundo a ABCNews, autoridades norte-americanas afirmaram que têm indícios de que o Tupolev 154 da Siberian Airlines, com 77 pessoas a bordo, acabou atingido numa área próxima a um exercício militar ucraniano. E que a área demarcada de exclusão de vôos, que permitiria a segurança das manobras militares, não era suficientemente grande. Já o presidente russo, Vladimir Putin, afirmou num encontro de ministros da Justiça europeus que a tragédia foi provocada possivelmente por um atentado terrorista.

“Pode ter sido um acidente, pode ter sido sabotagem, pode ter sido qualquer coisa. Não excluímos qualquer possibilidade”, afirmou um porta-voz do ministro dos Transportes de Israel, Ephraim Sneh. “Ainda não sabemos de nada. Estamos checando todos os detalhes”, acrescentou, segundo o jornal Ha’aretz. Autoridades russas e israelenses investigam uma possível ligação com os ataques de 11 de setembro nos Estados Unidos. Os serviços de inteligência dos EUA também estão analisando todos os dados disponíveis envolvendo o acidente.

Segundo a CNN, Garik Ovanisian, piloto de uma aeronave armênia que sobrevoava a região e testemunhou a queda, informou controladores de vôo russos que o Tupolev sofreu a primeira explosão ainda no ar, a cerca de 11 mil metros de altitude, enquanto a segunda ocorreu no mar.

O “Ha’aretz” diz ainda que 51 israelenses estavam no Tupolev, que partiu de Tel Aviv para Novorossisk e fez uma escala na Bulgária – para o embarque de mais um passageiro. O avião caiu a 185 quilômetros da cidade litorânea de Adler. Logo após o acidente, todos os vôos internacionais que decolariam do aeroporto internacional de Ben Gurion, em Tel Aviv, foram suspensos.