Turquia quer garantia para permitir uso de bases pelos EUA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 20 de fevereiro de 2003 as 22:06, por: cdb

Recep Tayyip Erdogan, líder do partido que comanda o governo da Turquia, o Justiça e Desenvolvimento, afirmou que os Estados Unidos só poderão usar as bases militares do país se apresentarem garantias escritas de ajuda financeira.

O ministro das Relações Exteriores, Yasar Yakis, também afirmou que a questão ainda está sendo discutida pelos líderes turcos.

A indecisão turca tem provocado protestos do governo americano. Nesta quinta-feira, o secretário de Estado, Colin Powell, disse que espara uma resposta definitiva até o final do dia.

Ele disse que Washington foi generoso com a Turquia e que agora demanda uma resposta – os americanos ofereceram a doação de US$ 6 bilhões e empréstimos da ordem de até US$ 20 bilhões em troca do uso das bases.

Temor

O Parlamento turco tem adiado a decisão sobre o assunto desde a segunda-feira, quando esperava-se que iria ser votada a permissão de uso das bases turcas.

No campo interno, o governo turco teme o impacto econômico que uma guerra teria e também a reação de sua população, que é majoritariamente mulçumana e tem se manifestado contra o confronto.

Segundo Erdogan, o que os turcos querem é uma garantia de que o Congresso americano agirá rápido para liberar a ajuda financeira ao país caso seja necessário.

“Isso não ocorrerá sem uma assinatura”, acredita ele.

Lógica simples

O ministro da Economia turco, Ali Babacan, também é reticente em relação a um acordo com Washington.

“Achamos que os números (oferecidos pelos americanos) são insuficientes e nós não estamos olhando de forma favorável para a oferta.”

Babacan disse que uma contraproposta foi enviada ao governo americano, mas que não teria sido discutida ainda. Ele não deu detalhes sobre os valores desejados por seu governo.

A lógica que está por trás do pedido de um compromisso escrito pedido pelos turcos é simples, segundo Babacan.

“Por um lado, os Estados Unidos dizem que a operação (no Iraque) será rápida; por outro, falam que o processo no seu Congresso, inclusive em relação ao dinheiro, levará entre seis e oito semanas”, diz ele. E finaliza: “E se a operação terminar antes de o Congresso tomar uma decisão e eles nos disserem apenas “desculpas”? É por isso que precisamos de um acordo escrito”.

O governo dos Estados Unidos já disse que a ajuda turca seria “desejável, mas não essencial” para uma operação militar no Iraque, dando sinais de que pode não fechar um acordo com o país.