Turquia exige dos EUA garantias que curdos deixarão o norte do Iraque

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 10 de abril de 2003 as 12:18, por: cdb

O ministro das Relações Exteriores turco, Abdulá Gul, pediu ao secretário de Estado dos Estados Unidos, Colin Powell, garantias de que os grupos curdos do norte do Iraque que entraram em Kirkuk não ficarão ali e que também não entrarão em Mossul.

Segundo informaram fontes turcas, na conversação telefônica que ambos mantiveram, Powell afirmou a seu colega turco que “nas próximas horas haverá mais tropas dos Estados Unidos na área e os ‘peshmergas’ serão expulsos”.

Além disso, a Turquia enviará observadores militares a Kirkuk para comprovar a saída dos milicianos curdos da cidade tal como Powell falou a Gul durante sua conversa, segundo as mesmas fontes.

Os responsáveis turcos não escondem sua preocupação pelas notícias de que os grupos curdos entraram na rica cidade petroleira de Kirkuk.

Ancara declarou anteriormente que não aceitaria que guerrilheiros curdos entrassem em Kirkuk e Mossul, duas cidades que a Turquia considera turcomanas, e chegou a declarar que enviaria suas tropas para o norte do Iraque se linhas vermelhas fossem cruzadas.

A Turquia citou como possíveis razões para uma intervenção militar no norte do Iraque a criação de um Estado independente curdo ali, ataques contra a população turcomana e contra as tropas turcas ou atividades terroristas dirigidas contra a Turquia.

A Turquia tem uma população curda de 12 milhões de pessoas e teme a formação de um Estado independente curdo no norte do Iraque, o que levaria desestabilização à Turquia, assim como à Síria e ao Irã, que também contam com população curda.

Após saber que os guerrilheiros curdos tinham entrado em Kirkuk, Gul disse aos jornalistas que a Turquia acompanha os eventos atentamente e fará o que for necessário.

Gul não deu mais detalhes, mas disse que a posição da Turquia é muito clara e que estão acontencendo conversações.

Um intenso ritmo de reuniões começou no Ministério turco de Exteriores depois das notícias de que os grupos curdos tinham entrado em Kirkuk, e o embaixador dos Estados Unidos em Ancara, Robert Pearson, foi chamado para dar informação sobre o caso.

Vecdi Gonul, ministro turco da Defesa, disse que a Turquia informou aos EUA de suas preocupações sobre o norte do Iraque, e ressaltou que espera que Washington mantenha suas promessas.

Washington disse anteriormente a Ancara que Kirkuk e Mossul estariam sob controle das tropas americanas e que não permitiriam a entrada de curdos.

O primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, disse que a ONU deve desempenhar um papel na reestruturação do Iraque e que a integridade territorial desse país deve ser respeitada.

Erdogan advertiu que o Iraque não deve converter-se em um bastião para organizações terroristas. Disse que a Turquia desempenhará agora um papel no aspecto humanitário e abrirá seus hospitais ao povo iraquiano que precise de tratamento.