Turcos correm contra o tempo para salvar crianças soterradas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 2 de maio de 2003 as 01:21, por: cdb

Equipes de resgate da Turquia travam uma luta incansável contra o tempo para tentar salvar mais de 80 crianças ainda soterradas sob os escombros de uma escola que desabou durante o forte terremoto que estremeceu o sudeste do país na madrugada desta quinta-feira.

O primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, rezou pelo destino das crianças.

– Que Deus possa nos livrar do pior -, disse o ministro.

As crianças estão soterradas sob os escombros do dormitório de sua escola desde que o terremoto assolou a Turquia, ferindo pelo menos 430 pessoas apenas na cidade de Bingol, informaram autoridades. Os esforços de resgate entraram a noite desta quinta-feira.

O ministro de Obras Públicas, Zeki Ergezen, disse que o número de vítimas fatais pode chegar a 150.

O terremoto em Bingol

O terremoto foi de 6,4 graus na escala Richter e ocorreu às 3h27 da manhã, atingindo principalmente a cidade de Bingol. Nas três horas seguintes, foram registrados 22 tremores secundários.

De acordo com o prefeito da cidade, Feyzuooah Karaaslan, 25 prédios ruíram em conseqüência do terremoto, incluindo o dormitório da escola, que fica na aldeia de Celtiksuyu, onde as autoridades acreditam que estavam 190 alunos.

Equipes de resgate retiraram 102 crianças e dois professores com vida e cinco alunos mortos, do dormitório, segundo o ministro da Indústria, Ali Coskun, que está em Bingol.

Médicos do hospital público da cidade lançaram um apelo por ajuda.
– Nós precisamos de todo tipo de assistência -, disse a chefe da equipe médica, dra. Ilhan Cokabay. – Remédios, material cirúrgico, voluntários, tudo-, completou.

Bingol é uma cidade pequena e com poucos recursos financeiros. As autoridades pediram aos moradores que deixassem suas casas, por medo de mais colapsos.

– O quadro de destruição é desolador, a cidade parece arrasada -, disse um membro das equipes de resgate.

Autoridades disseram que os alunos mortos estavam tentando correr para fora da escola quando o desabamento aconteceu.

– Esta é a lei de Alá -, reagiu Osman Karatas, cujo filho estava na escola. – Alá escreveu isso. Não há nada que possamos fazer. Apenas espero que meu filho seja resgatado vivo -, completou.

O terremoto também interrompeu o sistema de energia elétrica da cidade por várias horas, segundo as autoridades locais, prejudicando os serviços de comunicação e de socorro às vítimas.