Tufão Nesat deixa 7 mortos nas Filipinas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 27 de setembro de 2011 as 12:29, por: cdb

O tufão Nesat atravessou a principal ilha das Filipinas na madrugada de terça-feira, deixando pelo menos sete mortos e causando inundações e apagões que praticamente paralisaram a capital.

tufão
Capital das Filipinas, Manila, ficou praticamente paralisada após passagem do tufão Nesat, que atravessou o país com ventos de até 250km/h, deixando pelo menos sete mortos

Entre os mortos está um bebê de 1 ano e 10 meses, e quatro pessoas estão desaparecidas, segundo as autoridades.

Os danos à produção agrícola na região do vale de Cagayan, no norte do arquipélago, devem começar a ser avaliados na quarta-feira, quando órgãos públicos e mercados financeiros irão reabrir.

Enquanto o Nesat deixava a costa oeste da ilha de Luzon e rumava para o norte do Vietnã, meteorologistas informaram que outra depressão tropical está se formando no Pacífico, podendo afetar o norte de Luzon no fim de semana.

O Nesat chegou a Luzon como um tufão da categoria 3, com ventos em torno de 200km/h, mas perdeu força ao atravessar a ilha, segundo o instituto Tropical Storm Risk. “Não podemos dar nenhuma estimativa sobre danos no momento porque o tufão ainda está assolando muitas províncias”, disse Benito Ramos, chefe da agência nacional de desastres.

Muitos bairros de Manila, cidade com 13 milhões de habitantes, passaram o dia sem energia. Ventos fortes derrubaram postes e cabos elétricos, obrigando uma paralisação preventiva de algumas redes ferroviárias.

Órgãos públicos, o Banco Central e escolas deixaram de funcionar. Árvores e outdoors arrancados pelo vento levaram à interdição de algumas vias na capital e no interior, e as autoridades alertam para o risco de deslizamentos em áreas montanhosas.

As águas da baía de Manila transbordaram para o bulevar Roxas, inundando ruas e parques em torno da Embaixada dos EUA. Uma rádio disse que o luxuoso hotel Sofitel, nessa mesma região, também ficou coberto de água, e que ônibus foram providenciados para retirar os hóspedes.

Em Tondo, bairro pobre da capital, o vento arrancou o teto metálico de um ginásio que recebia desabrigados.

O tufão, com um diâmetro de 650 quilômetros, causou fortes chuvas sobre as áreas de cultivo de arroz e milho na parte central de Luzon, e quase todas as províncias da ilha principal estão em estado de alerta.

O departamento de meteorologia disse que o tufão, conhecido localmente como Pedring, provoca ventos de 150 a 250km/h.