Tudo pronto para Brasil x Equador

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 10 de setembro de 2003 as 10:48, por: cdb

Após estrear nas eliminatórias contra uma Colômbia que, por atuar em casa, também atacou e cedeu espaços, a seleção brasileira reencontra, logo na sua primeira partida em casa pela competição, a velha rotina de encarar “superretrancas”.

Por isso, o técnico Carlos Alberto Parreira aposta que a paciência será vital para o Brasil vencer o Equador no estádio Vivaldo Lima, em Manaus, pela segunda rodada do qualificatório para a Copa de 2006.

“Já faz parte da nossa rotina enfrentar times retrancados, e o Equador virá assim. Eles querem arrancar um pontinho e voltar comemorando”, afirmou o treinador, que também aposta na marcação adiantada como a melhor maneira de derrubar a tática adversária.

Apesar de considerar os equatorianos técnica a taticamente muito semelhantes ao rival batido no domingo, Parreira prevê um jogo totalmente diferente. “O Equador vem como franco-atirador”, afirmou.

E contra o ferrolho armado pelo colombiano Hernán Darío Gómez, técnico da seleção equatoriana, o Brasil contará com uma escalação muito próxima da considerada ideal por Parreira.

Com a volta de Ronaldinho Gaúcho ao time no lugar de Alex – que atuou contra a Colômbia porque o titular estava suspenso -, Kleberson, machucado no ombro direito, é o único desfalque. Emerson segue em seu lugar.

Mas o discurso da paciência não é adotado apenas pelo técnico brasileiro. O lateral-esquerdo Roberto Carlos, que considerou “perfeita” a atuação do time contra a Colômbia, também aposta no “estilo Parreira” para derrubar a retranca equatoriana. “Essa postura faz com que a seleção crie mais chances (de gol)”, afirmou o lateral.

E, se Parreira quer paciência dentro em campo, na arquibancada ele encontra histeria e idolatria para dar e vender. Em lua-de-mel com a torcida após a conquista do penta, a seleção é prestigiada em Manaus a ponto de, numa segunda-feira à tarde, cerca de 15 mil pessoas pagarem três reais para assistir a um treino no qual só participaram reservas. Na terça, com os titulares, 45 mil pessoas foram ao Vivaldão ver um mini-coletivo e um treino de dois toques.

E quem mais poderia “cortar o clima” está fora do jogo. Alex Aguinaga machucou o joelho direito na vitória equatoriana sobre a Venezuela por 2 a 0 e não joga, apesar de ter vindo ao Brasil. O técnico Hernán Darío Gómez deu razão a Parreira e assumiu a retranca ao escalar o volante Tenorio no lugar do veterano meia.

BRASIL X EQUADOR

BRASIL
Dida; Cafu, Lúcio, Roque Júnior e Roberto Carlos; Gilberto Silva, Emerson, Zé Roberto e Ronaldinho Gaúcho; Rivaldo e Ronaldo
Técnico: Carlos Alberto Parreira

EQUADOR
Ceballos; De la Cruz, Hurtado, Espinosa e Reasco (Fricson Jorge); Obregón, Ayovi, Méndez, E. Tenorio e Chalá; Carlos Tenorio
Técnico: Hernán Darío Gómez

Local: estádio Vivaldo Lima, em Manaus
Horário: 22 h (horário de Brasília)
Árbitro: Luis Vladimir Solórzano (VEN)