Troy Davis apresenta dois recursos a poucas horas de ser executado

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 21 de setembro de 2011 as 09:34, por: cdb

O comité de indultos da Georgia (EUA) rejeitou o pedido de clemência e marcou a execução para esta quarta feira às 19 horas locais (meia noite em Lisboa). Troy Davis, um negro condenado pela morte de um polícia branco, está há 20 anos no corredor da morte e sempre se declarou inocente.Artigo |21 Setembro, 2011 – 16:31

Wende Gozan Brown da Amnistia Internacional, que esteve com Troy Davis durante a tarde desta terça feira, declarou à comunicação social: “ele disse que não irá parar de lutar até que lhe seja tirado o último fôlego. E disse que a Geórgia está prestes a ceifar a vida de um homem inocente”.

Troy Davis foi condenado pela morte de um polícia em 1989, com base nos testemunhos de 9 pessoas e de polícias. Sete das nove testemunhas “voltaram atrás nas suas declarações, alegando coerção e intimidação da polícia.” (Ler em esquerda.net o artigo de Amy Goodman: Troy Davis e a política da morte)

A Amnistia Internacional lançou uma grande campanha internacional pedindo a clemência, na qual apelaram personalidades de todo o mundo como o ex-presidente dos EUA Jimmy Carte, o Papa Bento XVI, a actriz Susan Sarandon e muitas outras.

Em contradição com esta campanha e com a evolução do próprio processo, o comité de indultos do Estado da Georgia negou a clemência, nesta terça feira.

Os advogados de Troy Davis apresentaram um recurso de habeas corpus no tribunal superior do condado de Butts na Georgia e pediram que fosse usado um teste de polígrafo.

No recurso para o tribunal é referido que Trol Davis “recusa a constitucionalidade da sua condenação à pena de morte fundando-se em novas provas”. Segundo o advogado Brian Kammer, a defesa está em condições de apresentar provas, de acordo com as quais o médico legista que realizou a autópsia do polícia prestou “falso testemunho” no relatório balístico no qual a justiça se baseou para pronunciar a sentença.

Apoie a campanha da Amnistia Internacional.

Artigos relacionados: Troy Davis e a política da morte