Tropas israelenses entram em mais um vilarejo palestino

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 4 de janeiro de 2002 as 17:47, por: cdb

Tropas israelenses entraram no vilarejo palestino de Tel, na Cisjordânia, pouco antes das reuniões do governo israelense com o enviado especial americano Anthony Zinni, que tenta retomar o processo de paz. Segundo o Exército israelense, os soldados entraram no vilarejo, perto da cidade de Nablus, “em busca de terroristas”.

Fontes palestinas disseram que cerca de 20 veículos blindados, incluindo tanques, entraram na cidade e o Exército impôs um toque de recolher. Na quinta-feira, o Exército israelense tinha anunciado a retirada de tropas de algumas áreas palestinas na Cisjordânia. A medida tinha sido criticada pelos palestinos por considerá-la “cosmética”.

O enviado especial americano está reunido nesta sexta-feira com o primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, o ministro do Exterior, Shimon Peres, e o ministro da Defesa, Binyamin Ben-Eliezer. Depois, ele estará se deslocando para a Cisjordânia para se encontrar com o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Yasser Arafat.

O líder palestino está confinado em Ramallah desde o começo de dezembro, quando Israel proibiu que ele deixasse a cidade. Segundo fontes do governo israelense, Zinni quer que Israel e a ANP implementem imediatamente um plano de trégua e negociações proposto em junho do ano passado pelos EUA, que foi preparado por George Tenet, o diretor da agência de inteligência americana, a CIA.

Anthony Zinni voltou a Israel nesta quinta-feira para quatro dias de reuniões para tentar retomar o processo de paz. Sua missão anterior foi encerrada abruptamente com o aumento da violência em dezembro, mas Washington decidiu enviá-lo à região novamente depois de duas semanas de relativa calma.

Segundo a Rádio Israel, Zinni pediu que representantes israelenses e palestinos organizem uma reunião conjunta de segurança no domingo. Mas, apesar da vontade de retomar as negociações, Zinni tem um grande desafio à frente, com os dois lados mantendo posições divergentes.

Ariel Sharon vem insistindo que não vai negociar com os palestinos até que a região passe por sete dias sem qualquer ato de violência. Já a liderança palestina quer que o plano de Tenet e as recomendações do ex-senador americano George Mitchell sejam implementados incondicionalmente.

As propostas americanas prevêem uma retomada dos esforços da Autoridade Palestina de coibir novos atos violentos ao mesmo tempo em que Israel retira suas tropas de áreas palestinas.Ainda de acordo com o plano, caso o cessar-fogo se sustente por duas semanas, novas medidas seriam adotadas, incluindo a possibilidade de um congelamento do processo de expansão dos assentamentos judeus em territórios ocupados.