Tropas da PM impedem que manifestações atrapalhem trânsito

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 9 de setembro de 2003 as 03:16, por: cdb

Tropas da Polícia Militar (PM) foram às ruas, na última segunda-feira, para impedir que as manifestações estudantis obstruíssem novamente as vias públicas de Salvador.
 
Utilizando uma estratégia diferente dos dias anteriores, a PM se antecipou à ações dos estudantes e passou a ocupar previamente os pontos de tráfego intenso na capital baiana. Com isso, os protestos foram debelados com rapidez e o trânsito pôde fluir normalmente na cidade.

A Coordenadoria de Comunicação Social da PM (Coordecom) divulgou, no início da tarde de segunda, uma nota para a imprensa, informando que a corporação continuará a atuar de forma imediata para garantir a liberdade de locomoção das pessoas, bem como de qualquer direito individual ou coletivo dos cidadãos.

De acordo com o coordenador do Coordecom, coronel Siegfrid Frazão Keysselt, o efetivo mobilizado pelo comando da PM para agir junto aos manifestantes – composto por cerca de 800 homens – é oriundo das unidades de ensino da corporação, e possui idade média de 20 anos.
 
600 são alunos oficiais do Curso de Formação da Academia da Polícia Militar, e 200 fazem parte do Curso de Aperfeiçoamento de Sargentos.
 
– Temos de ter cuidado, porque estamos lidando com crianças ou adolescentes – pondera.

O coronel Siegfrid informa que os policiais envolvidos na operação serão coordenados diretamente por oficias de elite capacitados a lidar com situações dessa natureza. Ele afirmou ainda que as companhias dedicadas ao policiamento ostensivo dos bairros serão deslocados para dar apoio nos pontos de conflito de suas respectivas áreas de atuação.
 
– Em torno de 500 homens pertencentes à Unidade de Reserva Tática (cujo grupamento mais conhecido é a Polícia de Choque) permanecem em prontidão para qualquer eventualidade, embora acredito que não seja necessário utilizá-los – assinalou.

As manifestações ocorridas na segunda não tiveram o mesmo vigor dos dias anteriores, embora mantivessem a mesma intenção: parar Salvador. Qualquer sinal da ação dos estudantes era acompanhada de pronto por uma contra-ofensiva da PM.
 
No início da manhã, alunos da Universidade Católica do Salvador (Ucsal) obstruíram o trânsito na Avenida Joana Angélica. Por volta das 11h, a PM controlou o protesto, através da formação de cordões de isolamento, que limitou a ação dos estudantes às calçadas. O clima esquentou, mas não houveram confrontos diretos.

Ainda no centro da cidade, cerca de 150 alunos do Colégio Estadual Odorico Tavares decidiram em reunião, ocorrida também na manhã de ontem, retornar à estratégia de ocupação de pontos nevrálgicos da área. Os estudantes se concentraram nas imediações do Forte de São Pedro. Novamente a PM interveio e liberou a circulação dos veículos no local.

Em Ondina, um grupo de cerca de 50 alunos do tradicional Instituto Social da Bahia (Isba) iniciou protesto na Avenida Oceânica, por volta das 10h, e contidos pelos policias. Cena que se repetiu nas avenidas Manoel Dias da Silva, Suburbana e Paralela, além do Iguatemi e Costa Azul.

Nesta terça-feira, a partir das 13h30, os estudantes voltam a se reunir em assembléia, no Instituto Central de Educação Isaías Alves (Iceia), para definir os rumos do movimento.
 
– A idéia é concentrar os esforços para agregar os grêmios dos colégios e representantes de DCEs (Diretório Central de Estudantes) e DAs (Diretório Acadêmico) – informou Augusto Vasconcelos, membro da União da Juventude Socialista (UJS). Ele garante ainda que nova manifestação está prevista para as 10h de amanhã, saindo do Campo Grande.

Os membros da comissão mista, criada por decreto pelo prefeito Antonio Imbassahy para estudar formas de desoneração da tarifa de ônibus, também iniciam os trabalhos nesta terça, por volta das 17h, na sede da Superintendência de Transportes Públicos (STP).
 
 O secretário municipal de Transportes Públicos, Ivan Barbosa,