Tropas americanas participam de intenso tiroteio em Bagdá

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 12 de abril de 2003 as 21:14, por: cdb

Forças americanas participaram de um pesado tiroteio na margem oeste do rio Tigre, no centro de Bagdá, na manhã de sábado, e disseram ter matado até 20 “inimigos”.

Correspondentes da Reuters na margem leste do rio, ao redor do Hotel Palestine, disseram ter escutado artilharia pesada e disparos de tanques das forças americanos através do rio.

A troca de tiros durou cerca de 20 minutos, disseram. O sargento dos marines Daniel Finn disse que o fogo inimigo começou contra os soldados americanos de seus bunkers na margem oeste do rio. “Não temos certeza quantos eles são, mas eles abriram fogo e agora estão mortos”, ele disse, acrescentando que acreditava haver de 15 a 20 iraquianos ou estrangeiros envolvidos no incidente.

Em um incidente separado, um marine foi morto quando um atirador vestido em roupas civis abriu fogo contra os marines que faziam a segurança de um hospital perto do Hotel Palestine. “Nós perdemos um marine”, disse o major Michael Purcell à Reuters. “O atirador foi morto ou ferido”, acrescentou.

Também neste sábado, o principal assessor de Saddam Hussein para a área científica, que faz parte da lista dos 55 líderes iraquianos mais procurados dos Estados Unidos, entregou-se às forças americanas.

O general Amer Hammoudi al-Saadi, que denunciou as inspeções de armas antes da eclosão da guerra, se entregou às forças americanas em Bagdá no sábado, noticiou a ZDF, acrescentando que sua equipe de filmagem acompanhou al-Saadi a pedido dele. Sua rendição seria a primeira de um grupo de 55 procurados pelos Estados Unidos, vivos ou mortos.

O general iraquiano disse à TV desconhecer o paradeiro de Saddam Hussein. Ele também insistiu que o Iraque não possuía armas de destruição em massa e negou ser um membro do Partido Baath, de Saddam. Ele disse que havia permanecido em sua casa, mesmo depois de as forças americanas terem invadido Bagdá.

Moradores de um subúrbio de Bagdá, entretanto, disseram no sábado ter visto o filho mais novo de Saddam Hussein, Qusay, vivo após bombas aliadas terem destruído um prédio onde militares americanos acreditavam que o líder iraquiano e seus filhos estivessem abrigados.

Bombardeiros dos EUA atingiram também este sábado as posições de tropas leais a Saddam em Tikrit, a 110 quilômetros ao norte de Bagdá, e base de Saddam Hussein e último local importante do Iraque ainda não dominado. Tropas dos EUA também ampliaram o controle nas cidades de Mosul e Kirkuk, tomadas na sexta-feira com ajuda de combatentes curdos.