Trípoli sofre com ataques aéreos, falta de água e energia elétrica

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 27 de agosto de 2011 as 18:07, por: cdb

Da BBC Brasil

Brasília – Aeronaves da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) fizeram ataques aéreos durante a noite de ontem (26) e a madrugada deste sábado em Trípoli e em Sirte, no Sul da Líbia. Cidade natal do líder líbio Muammar Khadafi, Sirte é vista como o último grande foco de resistência do antigo regime do país.

As forças de Khadafi ainda estão ativas na cidade e o paradeiro do líder líbio permanece desconhecido.Um porta-voz da Otan informou que instalações militares, veículos e uma plataforma de lançamento de mísseis foram encontrados em Trípoli, apesar de as forças leais a Khadafi agora estarem concentradas no Sul do país.

O avanço das forças rebeldes para Sirte foi paralisado perto do porto petrolífero de Ras Lanuf, apesar da chegada de mais reforços. Rebeldes e forças aliadas a Khadafi estão se preparando para o que pode ser uma grande batalha final. As condições em Trípoli estão se deteriorando e maior parte da capital líbia está sem água, eletricidade e saneamento básico. Há relatos de que o fornecimento de água na capital parou lentamente. Algumas lojas estão abertas, mas não foram reabastecidas.

De acordo com jornalistas da BBC, os hospitais já não têm mais suprimentos e está cada vez mais difícil encontrar alimentos e combustíveis. O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, pediu o envio urgente de ajuda humanitária para o país e também para que a comunidade internacional ajudar a restaurar a ordem na Líbia.

A Grã-Bretanha informou que está enviando remédios e alimentos para a Líbia. O governo britânico vai fornecer equipes médicas para tratar os 5 mil feridos e alimentos para quase 700 mil pessoas. Os hospitais de Trípoli estão em situação caótica. Profissionais do setor de saúde deixaram a cidade e corpos em decomposição se acumulam nos centros médicos. Um repórter da BBC diz ter visto cerca de 200 corpos amontoados no Hospital de Abu Salim. A maioria dos mortos são jovens que, aparentemente, estavam na frente de guerra. Há também corpos de mulheres e crianças.

Os rebeldes afirmam que controlam a maior parte de Trípoli com apenas alguns áreas de resistência das forças leais a Khadafi. Ocorreram confrontos principalmente em volta do aeroporto internacional, mas o centro da cidade, agora, está mais calmo.