Trilha da mais recente fita de Bin Laden começa em uma rua do Paquistão

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 15 de novembro de 2002 as 14:51, por: cdb

A fita na que parece ser a mais recentemente mensagem de Osama bin Laden ao mundo foi entregue por um homem em uma rua de Islamabad há dois dias, afirmou o correspondente da Al-Jazeera que a recebeu.

Ahmed Muhaffaq Zaidan, correspondente da Al-Jazeera em islamabad, disse que um homem lhe telefonou às 22h e pediu que se encontrassem, afirmando ter algo importante para lhe entregar. O homem falava inglês com um sotaque paquistanês. Quando se encontraram, o homem tinha seu rosto oculto por um lenço e, após entregar a fita, partiu sem responder a qualquer pergunta.

“Ele disse, ‘Esta é uma fita cassete de Bin Laden'”, disse Zaidan. “Quando comecei a fazer perguntas, ele disse: ‘Não vou responder a qualquer pergunta. Já estou partindo’. Eu corri para o carro e coloquei a fita para tocar, e então reconheci a voz de Bin Laden”.

A entrega de uma fita de áudio em um local público na capital paquistanesa foi uma potencial fonte de embaraços para o presidente do Paquistão, Pervez Musharraf, que afirmou publicamente que acredita que Bin laden esteja morto. Isto também levanta questões sobre se a fita teria sido produzida no Paquistão, e se o próprio Bin Laden estaria escondido no país.

Uma autoridade do governo paquistanês rejeitou a idéia de que a presença da fita em Islamabad significaria que Bin Laden esteja no Paquistão.

“Ela pode ter originado em qualquer lugar”, disse o Brigadeiro Javed Iqbal Cheema, diretor da Célula de Administração de Crises Nacionais do Ministério do Interior. “O fato de a fita ter sito entregue no Paquistão não quer dizer nada”.

Mas uma importante autoridade da inteligência paquistanesa disse que os agentes sabiam que a fita, bem como uma outra produzida por Ayman al-Zawahiri, mentor de Bin Laden e importante autoridade da Al-Qaeda, haviam sido entregue no Paquistão. “Temos investigado relatos de que a Al-Qaeda está usando Karachi como base para a preparação e divulgação de material de propaganda”, disse a autoridade, acrescentando que grupos fundamentalistas islâmicos podem estar envolvidos no caso.