Treze-PB 1 x 1 Botafogo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 14 de março de 2012 as 21:05, por: cdb

Crédito da arte: Pedro Padilha

Em batalha no Almeidão, o Botafogo empatou com o Treze-PB em 1 a 1, na sua estreia pela Copa do Brasil, em João Pessoa-PB. Com o resultado, o Alvinegro joga por uma vitória ou um empate em 0 a 0 no Stadium Rio na partida de volta, na próxima quarta-feira, para conquistar a classificação para a segunda fase da competição. Artilheiro do time na temporada, Herrera marcou seu oitavo gol no ano.

Antes do confronto definitivo pela Copa do Brasil, porém, o Fogão encara o clássico com o Vasco no domingo, pela quarta rodada da Taça Rio, também no Stadium Rio, às 18h30.

Os primeiros minutos foram animadores para o Botafogo em João Pessoa. Aceso, o Alvinegro começou bem a partida trabalhando pelas pontas, principalmente com Cidinho e Márcio Azevedo.    Insinuante, o lateral era muito perigoso pela esquerda. Aos cinco minutos, o camisa 6 recebeu de Elkeson e que tocou para Herrera, que, já dentro da área, bateu por cima do gol do Treze.

O lance mais agudo era um retrato dos primeiros instantes do jogo. Superior tecnicamente, o Botafogo pressionava os paraibanos, que tinham dificuldades para jogar. Tanto que, aos 10, a zaga do time da casa se atrapalhou e entregou a bola nos pés de Herrera, já na entrada da área. Arisco, o argentino bateu rapidamente para o gol, mas a bola novamente saiu por cima da meta.

A partir daí, os nordestinos acordaram na partida. Se aproveitando do mando de campo, o Treze se mostrava um adversário duro de ser batido. O crescimento dos paraibanos fez o jogo ficar mais aberto, com o Botafogo controlando a posse da bola enquanto o Treze abusava da correria em contra-ataques e jogadas em profundidade.

Num dos momentos mais agudos do primeiro tempo, Márcio Careca saiu cara a cara com Jefferson, mas o goleiro mostrou toda sua qualidade para manter o placar em branco. Pouco depois, Cidinho respondeu com perigo em chute da entrada da área, mas também parou no goleiro.

O ritmo acelerado em que os lances de perigo apareciam nos minutos iniciais acabou diminuindo na segunda metade do primeiro tempo. Sem tantas chances, os times acabaram tendo que se conformar em ir para o intervalo sem o tão perseguido gol.

Com Maicosuel no lugar de Cidinho, o Botafogo entrou totalmente diferente no segundo tempo, com mais velocidade e objetividade. A equipe levava perigo com facilidade, como em um bom passe de Márcio Azevedo que Herrera passou perto de aproveitar, mas parou no goleiro.

Facilmente dominado nos minutos iniciais da etapa complementar, o Treze se organizou e dificultou um pouco as coisas para o Glorioso, que perdeu Maicosuel, que voltou a sentir lesão muscular, ainda aos oito minutos. Mas ainda era inferior ao Alvinegro, que contava com uma atuação de gala do paraibano Márcio Azevedo. Em sua terra, o lateral assustava os donos da casa pela esquerda em jogadas como a que fez aos 16, quando fez fila na defesa rival e bateu da entrada da área, mas o chute não saiu com a força desejada.

Mesmo com dificuldades em marcar, o Botafogo e o lateral-esquerdo não desistiam. Foi em levantamento de Márcio Azevedo que Lucas, do segundo pau, cabeceou para o centro da área. A bola caiu como um presente nos pés de Herrera, que, mesmo desequilibrado, não desperdiçou e mandou para o fundo da rede. Aos 22, o gol finalmente dava a tranquilidade que o Alvinegro buscava desde o começo da partida.

Na base do desespero, o Treze partia com tudo para cima do Botafogo, mas parava nas defesas espetaculares de Jefferson. Com o gol fechado na retaguarda, o Alvinegro atacava apenas na boa e levava perigo, principalmente com Jobson, que chegou perto de marcar duas vezes já nos minutos finais da partida, mas parou também parou nas mãos do goleiro. O castigo para o Glorioso viria aos 47 minutos, quando, depois de bate-rebate dentro da área, os donos da casa empataram e deram números finais ao placar.

BOTAFOGO: Jefferson, Lucas, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Márcio Azevedo; Lucas Zen, Renato, Elkeson, Cidinho (Maicosuel e, depois, Jobson) e Felipe Menezes (Caio); Herrera.
Treinador: Oswaldo de Oliveira.

Rodrigo Paradella