Três milhões de doentes recebem remédios contra Aids

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 30 de novembro de 2003 as 22:58, por: cdb

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e a OnuAids anunciaram neste domingo um plano detalhado para intensificar a campanha de prevenção da aids e proporcionar tratamento anti-retroviral a três milhões de doentes nos países em desenvolvimento até o final de 2005.

– A prevenção e o tratamento de aids talvez constituam a tarefa mais difícil em matéria de saúde que o mundo já enfrentou. A vida de milhões de pessoas está em jogo. Essa estratégia precisa de um grande e incomum esforço para que se concretize – destacou em um comunicado Jong-wook Lee, diretor-geral da OMS.

Na véspera do Dia Mundial de Luta contra a Aids, as duas organizações destacaram que esta estratégia de combate à pandemia se soma aos compromissos assumidos por vários países e instituições.

A OMS e a ONUAids citam, por exemplo, o plano de ajuda de US$ 15 bilhões em cinco anos, anunciado em janeiro pelo presidente norte-americano, George W. Bush, para lutar contra a aids, em especial na África.

Também foram destacados os “esforços das empresas farmacêuticas para reduzir os preços do tratamento da aids”, a contribuição de fundações internacionais como a Fundação Bill e Melinda Gates e a colaboração “determinante e valente dos países para melhorar o acesso de sua população ao tratamento”.

De acordo com as últimas estimativas da epidemia publicadas nesta terça-feira pela OnuAids, 40 milhões de pessoas vivem atualmente com aids, de 25 a 28,2 milhões só na região da África subsaariana. Em 2003, cinco milhões de pessoas foram infectadas pelo vírus e três milhões morreram, o que significa oito mil mortes por dia.
 
– A OMS estima que seis milhões de pessoas em todo o mundo precisam de tratamento imediato. A estratégia define as medidas que devem ser tomadas para dar tratamento a metade delas nos próximos dois anos – continuou o comunicado.

– Acreditamos firmemente que não temos nenhuma chance de deter a epidemia se não conseguirmos aumentar de forma espetacular o acesso ao tratamento. O tratamento e a prevenção são os dois pilares de uma estratégia eficaz contra a aids – destacou, por sua vez, Peter Piot, diretor-executivo da OnuAids.

Para alcançar suas metas, as duas organizações defendem que a disponibilidade dos tratamentos anti-retrovirais seja simplificada, que se crie um novo serviço encarregado do abastecimento eficaz e confiável de medicamentos e produtos de diagnóstico, que se publiquem rapidamente as novas descobertas e soluções provadas, que sejam formados milhares de agentes sanitários não-médicos que ajudem a proporcionar e acompanhar o tratamento.

A OMS estima o financiamento necessário para esta estratégia em US$ 5,5 bilhões nos próximos dois anos. A Federação Internacional Cruz Vermelha – Crescente Vermelho anunciou que colocará em andamento um plano de tratamento em seis países africanos, que incluirá o acesso aos medicamentos.