Tremor mata 400 na China e destrói casas no planalto do Tibet

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 14 de abril de 2010 as 10:24, por: cdb

Um terremoto de magnitude 6,9 matou cerca de 400 pessoas na quarta-feira no montanhoso planalto do Tibet, no sudoeste da China, deixando mais de 10 mil feridos. Casas, escolas e edifícios comerciais desabaram.

– Vejo feridos em todo lugar. O maior problema agora é que carecemos de tendas, carecemos de equipamentos médicos, remédios e trabalhadores médicos – disse um porta-voz do condado de Yushu, na Província de Qinghai, à agência de notícias Xinhua.

Militares foram enviados para a região, e organizações privadas já começaram a despachar ajuda a partir de Xining, a capital provincial.

– As pessoas estão muito assustadas – disse Pierre Deve, da ONG local Snowland Service Group, acrescentando que muita gente já perdeu as esperanças de resgatar soterrados com vida.

Terremotos são comuns no planalto do Tibet, mas costumam causar poucas vítimas por se tratar de uma região pouco povoada.

Funcionários governamentais disseram que a maioria das casas da região, feitas de barro, desabou. Muitos moradores estão desabrigados sob temperaturas que se aproximam de 0C em Yushu, podendo ser ainda mais baixas em aldeias montanhosas.

O governo japonês ofereceu ajuda emergencial, mas disse ter ouvido como resposta de Pequim que “não havia necessidade a esta altura”, disse um porta-voz em Tóquio.

O terremoto aconteceu ao amanhecer de quarta-feira (noite de terça no Brasil). Segundo a Xinhua, algumas escolas e parte de um prédio público desabaram. A agência relatou que muitos alunos de escolas primárias e profissionalizantes estavam presos sob escombros, mas moradores disseram que a maioria dos estudantes havia conseguido fugir.

– A maioria das escolas em Yushu foi construída bem recentemente e deveria ter conseguido resistir ao terremoto – disse Wang Liling, voluntária da Gesanghua, entidade que ajuda crianças escolares em Qinghai.

Em maio de 2008, a opinião pública chinesa ficou indignada ao ver o desabamento de escolas na província de Sichuan, enquanto edifícios vizinhos ficaram intactos após o terremoto que matou 80 mil pessoas naquela região.

O tremor de quarta-feira teve seu epicentro nas montanhas que dividem a Província de Qinghai da Região Autônoma do Tibet – mais precisamente 250 quilômetros a norte-noroeste de Qamdo, no Tibete, e 375 quilômetros a sul-sudeste da localidade mineradora de Goldmu, em Qinghai. Segundo o Departamento de Pesquisas Geológicas dos EUA, o foco foi a 10 quilômetros de profundidade.

As encostas ao sul e leste do epicentro são habitadas por pastores e por monges tibetanos, enquanto a região ao norte e a oeste é árida e desolada.

Um terremoto de magnitude 5,0 havia atingido a região na noite de terça-feira, e réplicas de magnitude 6,0 ou mais causaram pânico durante a manhã de quarta.