Treinamentos militares precisam se modernizar. E já!

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 22 de agosto de 2011 as 14:00, por: cdb

Mais um lamentável e inadimissível episódio revela os excessos cometidos em algumas unidades das  Forças Armadas durante o treinamento de jovens militares. Ontem, 57 praças da Marinha que participavam do Curso de Formação de Fuzileiros Navais foram internados no Hospital Naval Marcílio Dias, no Rio, com sintomas de síndrome respiratória, dentre eles dor de cabeça, febre, coriza e tosse.

Dois destes jovens estão na UTI e apresentam insuficiência renal e respiratória. A suspeita é que contraíram uma bactéria durante o treinamento. Médicos da unidade hospitalar militar e da Secretaria municipal da Saúde investigam as causa dos sintomas. Já os familiares denunciam maus tratos e garantem que muitos desmaiaram e foram impedidos de beber água durante os exercícios.

Essas verdadeiras torturas as quais são submetidos os jovens militares são inadimissíveis. Forças Armadas e Polícias Militares precisam empreender mudanças já, antes que seja tarde. Está mais do que na hora de pormos um fim à prática de exercícios físicos exagerados nessas instituições. Elas precisam de uma grande reforma interna, tanto em suas escolas, quanto nos sistemas de ensino, particularmente em seus currículos.

Treinamento e currículos precisam se modernizar

Orgãos como o Ministério da Educação (MEC), a Ordem dos Advogados do Brasil e o Congresso Nacional têm muito a contribuir com esta reforma nas Forças Armadas, da mesma forma que as assembléias legislativas no caso das PMs.

É urgente uma reforma dos códigos legais, regulamentos internos e normas disciplinares dessas instituições, evidentemente, sem que com isso se esteja fazendo qualquer pregação quanto à quebra de hierarquia.

O que não podemos é assistir a episódios como esse que revelam grande descontrole e falta de disciplina por parte dos responsáveis pelo treinamento e, também, falta de respeito pela integridade física e psíquica desses jovens.