Transferência de Romário viabiliza pagamento dos atrasados no Flu

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 27 de fevereiro de 2003 as 17:06, por: cdb

A transferência de Romário para o Al-Sad rendeu ao Fluminense a quantia de US$ 150 mil pela rescisão de contrato do atacante com o Tricolor carioca. Mas o dinheiro nem ficou no banco, pois foi utilizado para quitar as dívidas com os jogadores e funcionários do Fluminense.

“O dinheiro mal entrou na conta e já foi embora. Com ele, quitamos os salários de todos os funcionários, que não tinham recebido os pagamentos de novembro e dezembro de 2002, além de janeiro deste ano. Aos atletas do futebol, devíamos só o salário de janeiro”, afirmou o vice-administrativo e financeiro, Renato Blaute.

Segundo o dirigente, essa é a primeira vez, em quase um ano, que o Fluminense fica em dia com os pagamentos de seus funcionários. No ano passado, o clube chegou a dever três meses de salários na carteira de trabalho e seis de direitos de imagem, o que acarretou em processos movidos pelos atacantes Roni e Magno Alves.

“Fizemos acordos com os jogadores e estamos pagando essas dívidas de forma parcelada”, explicou Renato Blaute, acrescentando que o dinheiro do clube do Qatar não poderia ter aparecido em melhor momento: “Não foi a conta certa, mas ajudou bastante”, disse.