Traficantes ordenam fechamento de escolas no Rio de Janeiro

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 20 de maio de 2003 as 12:18, por: cdb

O Colégio Ícaro, na Praça Saens Peña, Zona Norte do Rio de Janeiro, preparava-se para aplicar prova a seus alunos quando, na manhâ desta terça-feira, recebeu uma ligação de um homem que, identificando-se como traficante do Morro do Salgueiro, ordenou que o colégio fechasse as portas e os alunos fossem para casa, caso contrário sofreriam as conseqüências. As aulas foram suspensas e os alunos mandados de volta para suas casas.

A cena se repetiu no colégio Pinheiro Guimarães, no mesmo bairro. O diretor da unidade do Colégio Pinheiro Guimarães, Armando Pinheiro Guimarães, informa que nenhum funcionário recebeu qualquer ameaça pelo telefone, mas como a freqüência de alunos foi baixa por causa do boato, ele achou melhor dispensar as turmas. À tarde e à noite, o colégio funcionará normalmente.

A direção dos dois colégios acionou imediatamente os policiais do 6º Batalhão da Polícia Militar (Tijuca) que enviou viaturas para garantir a ordem nas proximidades das instituições.

O comandante do batalhão, o tenente-coronel José Luis Nepomuceno acredita, no entanto, que a ameaçao não passe de um trote, já que outros colégios da região não receberam qualquer telefonema estranho.

Ao lado do Ícaro, o colégio Algudane funcionou normalmente.

Instituições de ensino vêm sendo alvos constantes da ameaça do tráfico no Rio. No último dia 5, a estudante Luciana Gonçalves foi baleada no campus da Universidade Estácio de Sá, quando traficantes do morro do Turano tentaram invadir a instituição.

Na mesma semana, o Colégio Andrews, no Humaitá, fechou as portas depois de receber ameaças telefônicas.