Trabalho no Iraque é desafio para os Estados Unidos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 5 de novembro de 2003 as 00:55, por: cdb

O trabalho dos EUA no Iraque é um grande desafio. A afirmação é do secretário norte-americano de Estado, Colin Powell, que falou em Honduras, depois de concluir uma visita de cinco horas ao país centro-americano.

Em declarações à imprensa, Powell disse que os EUA estão ‘muito agradecidos’ com a contribuição da América Central no Iraque, com tropas de El Salvador, Honduras e Nicarágua, que foram enviadas para auxiliar nos trabalhos de reconstrução.
 
– O trabalho no Iraque é um grande desafio, ainda que tenhamos enfrentado algumas dificuldades, houve grandes lucros, se progrediu muito – enfatizou.

Acrescentou que agora as crianças e jovens no Iraque ‘voltam às escolas, formam distritos municipais de governos locais, estão em mãos de cidadãos iraquianos, consertam hospitais, enfim, toda a estrutura volta lentamente a funcionar como deve’. Além disso, segundo ele, se estabelecem fundamentos democráticos para que o povo iraquiano possa escolher seus próprios líderes.

Sobre a situação na América Latina, Powell indicou que os presidentes de agora e do passado recente com os quais falou, reconhecem que o grande inimigo na região é a pobreza.
 
– Esse flagelo se combate -acrescentou- através de reformas políticas, sociais e econômicas para fortalecer a democracia e com a criação de postos de trabalho – disse.

– O problema aqui não é a democracia, mas os que querem apelar ao populismo para combater a democracia, para combater o progresso; mas a pobreza pode acabar com a democracia e isso é o que temos que combater – afirmou Powell.

Sobre o papel de seu país, expressou que fará tudo o que for possível para apoiar a região, e que para isso ‘temos que estudar possibilidades como uma ajuda à dívida e a criação, sobretudo, de postos de trabalho’.

Powell também disse que os EUA estudam sua participação na Organização Internacional do Café (OIC), o que na opinião do presidente de Honduras, Ricardo Maduro, poderia contribuir para melhorar o preço do grão no mercado internacional.
 
– Essas discussões estão em curso, nossa atitude é positiva, mas não chegamos a uma decisão e ainda não estamos preparados para divulgá-la – falou.

Sobre um pedido feito por Honduras aos EUA para que concedam helicópteros para combater o narcotráfico, respondeu que o tema ‘é mais complexo porque é claro que são equipamentos muito caros: gostaríamos de ajudar no possível, mas este é um tema que temos que continuar estudando’.