“Trabalhadoras do sexo” pedem anulação de lei

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 7 de outubro de 2004 as 05:50, por: cdb

Mais de 3.000 prostitutas sul-coreanas se manifestaram, nesta quinta-feira, diante da sede do Parlamento, em Seul, para que o Estado reconheça sua situação e anule uma lei destinada a acabar com seu principal meio de vida.

As “trabalhadoras do sexo”, como preferem ser chamadas, protestaram ante a Assembléia Nacional contra a perseguição policial a qual são submetidas por causa de uma polêmica lei de recente aprovação dirigida contra prostitutas, proxenetas e seus clientes.

-Pedimos ao governo que nos dê três anos de prazo para que possamos encontrar outros trabalhos, mas estes pedidos desesperados não encontraram qualquer resposta. – afirmou uma das manifestantes.

O Ministério da Mulher sul-coreano anunciou recentemente que destinará por volta de 3,3 milhões de dólares para a reabilitação das prostitutas.

No entanto, no protesto as mulheres expressaram sua rejeição à ajuda governamental e pediram que o trabalho que exercem seja reconhecido como mais uma profissão.